Posts

Privatização da Eletrobrás e CGT-Eletrosul: O mercado lucra, mas a conta sobra só para você

A conta de luz deve ficar ainda maior com a privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias. Além de ser a maior empresa de produção e distribuição de energia elétrica da América Latina, sendo um bem nacional que nenhum país razoável abriria mão, a privatização dela vai permitir que os ganhadores tentem aproximar seus lucros de acordo com os patamares do mercado.


Para se ter uma ideia, a Eletrobrás é responsável por 48 hidroelétricas, 112 termoelétricas, a gás, óleo e carvão, 2 nucleares, 70 eólicas e 1 solar. Isso representa quase um 1/3 da produção de energia elétrica no país, cerca de 31%. Além disso, a empresa detém mais de 70 mil quilômetros das linhas de distribuição, sendo responsáveis por 64% da transmissão de energia doméstica e industrial no país.


Tudo isso feito com dinheiro público ao longo de décadas. Então, sem a Eletrobrás, o país mergulha em uma escuridão pela qual ele pagou para não estar.


Justamente por ser uma empresa pública, controlada pelo Estado, a Eletrobrás e suas subsidiárias de energia, entre elas a CGT-Eletrosul, conseguem oferecer o menor preço do mercado. Hoje, pagamos cerca de 60 Reais megawatt hora. No mercado privado esse valor é de 300 Reais o megawatt hora!


Assim, para se manter com níveis de lucratividade equivalentes aos parâmetros do mercado, a estimativa é que as empresas privadas vencedoras tenham que aumentar nossa conta de luz entre 10% e 20%.

Crise hídrica, apagões e preço dos alimentos


As hidroelétricas da Eletrobrás detêm hoje 52% da água armazenada no Brasil. A água é a principal fonte de geração de energia no país, mas também sem ela não se produz alimento ou se coloca para funcionar uma indústria.


Os reservatórios das hidroelétricas são responsáveis por 70% da água para irrigação na agricultura, por isso que a gestão desse recurso é fundamental para garantir a sobrevivência física, econômica e social no Brasil, como em qualquer lugar do mundo. Por isso é tão estratégico.


Mais do que a privatização de uma empresa, que dá controle para um recurso tão importante como energia elétrica, a venda da Eletrobrás compromete a autonomia do país em outro recurso indispensável: a água.


Diversas regiões do país estão enfrentando estiagens mais longas. O efeito imediato dessas estiagens é o aumento do consumo de água armazenada, comprometendo assim a geração de energia elétrica. Em razão disso há um aumento na produção de energia termoelétrica, que é a principal alternativa disponível hoje.


Por serem abastecidas com gás e óleo (que também não estão nada baratos) resultam numa conta mais cara a ser paga pelo consumidor.


A venda da Eletrobrás também preocupa em termos logísticos. Já que no Brasil há um sistema nacional de distribuição de energia, interligado por todo o território brasileiro. Isso permite uma organização, centralizada na responsabilidade do governo, para distribuir a energia produzida de forma a atender as demandas de um país tão grande quanto o nosso.
A privatização vai cortar essa interligação, já que mais de uma empresa deve assumir partes do mercado de energia nacional que, sem controle majoritário do Estado, compromete a articulação do sistema em todo o país.


Privatizar a Eletrobrás é um crime contra o futuro do Brasil.

Fonte: SINTEC-RS

Privatizar o patrimônio dos gaúchos não afasta os corruptos (na verdade, os atraí)

Privatizar não afasta corruptos

😓 Representando os desejos das elites oportunistas, do mercado financeiro e da velha mídia, o governo do Rio Grande do Sul quer entregar algumas das mais importantes estatais gaúchas, como a Corsan e a CEEE, assim como o Governo Federal quer fazer com a Trensurb e a CGT Eletrosul.


💣 Mas a história do Brasil demonstra claramente como a aproximação entre o setor público – através de políticos oportunistas – e a iniciativa privada pode ser ruim para o país. Via de regra, a corrupção no poder público envolve também uma empresa privada no esquema.


➡ Além disso, empresas privadas sonegam mais de R$ 500 bilhões por ano no Brasil, o que é mais de 3 vezes o montante estimado em perdas por corrupção.


➡ E as privatizações também não afastam os políticos oportunistas. Pelo contrário, a maioria deles trabalha a serviço de empresas, e não do povo.


🤯 É por isso que esses grupos políticos, de mídia e empresários corruptos intentam contra o patrimônio estadual.


✊ A população do estado se mantém atenta, defendendo o Rio Grande do Sul contra quem quer vender o que é dos gaúchos!

Saiba quem ganha e quem perde com as privatizações

Quando se fala em privatização, é importante saber que, por trás de discursos, existe um grande jogo de interesses entre os envolvidos.

As consequências das privatizações podem ser boas para alguns (bem poucos) e ruins para outros (quase toda a população).

Neste texto, vamos entender quem sai ganhando e quem sai perdendo.

Grandes empresários: ganham

Os setores onde as estatais atuam tendem a ser bastante complexos, exigem planejamento de longo prazo, capacidade de investimento e uma estrutura robusta.

Essas características estão longe de ser a realidade de boa parte do setor privado, que deseja retorno mais imediato (lucro) e, dificilmente, vai investir em atividades do tipo a partir do zero.

Com isso, privatizar estatais passa a ser uma chance “de ouro” para empresários atuarem em áreas onde é difícil se estabelecer. Afinal, o esforço já foi feito quando a empresa era estatal. Há um nome consolidado no mercado, a empresa já possui boa estrutura física e pessoal altamente qualificado, e, na maioria das vezes, não haverá muitos concorrentes pelo mercado consumidor.

Para os empresários, o negócio é ótimo. E para eles fica melhor ainda quando encontram governos que não possuem compromisso com o bem-estar da população e vendem o patrimônio público a preço de banana (que é o que acontece com frequência no Brasil).

Políticos corruptos: ganham

Em vez de trabalhar pelo fortalecimento das empresas públicas, é comum vermos políticos fazendo lobby pela privatização.

Esses políticos sabem que, assim que as privatizações acontecerem, poderão cobrar suas “recompensas” dos empresários, por terem ajudado a abrir caminho para a venda.

Aliás, é bem provável que esses políticos tenham suas campanhas já financiadas (especialmente em Caixa 2, com recursos não contabilizado) pelos empresários ou grupos econômicos que irão comprar as estatais.

Velha mídia: ganha

Falando em conflito de interesses, o discurso a favor das privatizações só ganha destaque graças a setores da velha mídia: portais de notícias, jornais, canais de televisão e de rádio, controlados pelos mesmos poucos grupos, que dependem de anúncios de grandes empresas privadas que desejam se apropriar do patrimônio da população para lucrar sobre as necessidades das pessoas.

Esses setores dão amplo destaque a aspectos negativos de estatais e distorcem dados sobre a situação financeira das empresas. Raramente apontam aspectos positivos.

A intenção é manter uma campanha permanente de desgaste da imagem das estatais para que as privatizações sejam aceitas pela população como a “única solução” para o estado ou para o país.

Assim, favorecem os grandes grupos de anunciantes, que poderão comprar as estatais a preços mais baixos (afinal, ao atingir a imagem das empresas públicas, a expectativa deles é que elas sejam desvalorizadas no mercado).

Bom para os empresários e bom para a velha mídia, que segue com patrocínio em dia. Além disso, muitos proprietários de grupos de mídia têm interesse em se tornar, eles próprios, donos ou acionistas de empresas que hoje são estatais.

É profundamente antiético, porque estão advogando em causa própria. Mas é algo muito comum.

População: perde

Estatais, quando privatizadas, geram um forte impacto na sociedade, especialmente nas camadas mais pobres da população. Empresas privadas têm como único compromisso o lucro e não irão pensar duas vezes antes de subir tarifas na hora de cobrar pelos serviços.

Além disso, as empresas privadas dificilmente atuam em áreas pouco lucrativas.

Isso fará com que as populações mais pobres ou em regiões mais isoladas fiquem desassistidas.

Não há dúvidas de que a privatização é especialmente cruel com quem tem menos.

Desenvolvimento nacional: perde

Sem as estatais, o Estado fica sem um importante mecanismo para alavancar cadeias produtivas do país. As estatais podem levar desenvolvimento e geração de empregos a regiões que jamais seriam prestigiadas pelo capital privado.

Afinal, novamente, empresas privadas querem lucro (de preferência, imediato), o que é incompatível com o desenvolvimento de outros setores ou investimento em regiões onde a rentabilidade será menor. A privatização é um golpe contra o desenvolvimento econômico nacional.

Bem-estar da sociedade: perde

Embora não seja prioridade, as estatais brasileiras são muito lucrativas.

E grande parte desse lucro é repassado diretamente ao Estado, que pode investir em outras áreas, garantindo o bem-estar da sociedade.

Não só isso: as próprias estatais usam parte de sua lucratividade para financiar, por exemplo, projetos com aspecto social, em áreas como educação, cultura, esportes e proteção ao meio-ambiente. No Brasil, são incontáveis os programas de financiamento para a produção de filmes, peças de teatro, festivais ou programas de incentivo ao esporte que contam com aporte de estatais.

Entender as consequências das privatizações para a sociedade é fundamental na hora de interpretar os discursos de cada um.

Quando se trata de venda do patrimônio público, nas quais apenas alguns poucos privilegiados são beneficiados, o que manda é o jogo de interesses e seu ganho financeiro.

Uma realidade muito distante do compromisso com a sociedade e com o desenvolvimento do país, que é a prioridade das empresas estatais.

Fonte: Sintec-RS

Vender a Trensurb vai estourar o bolso do povo gaúcho

Não venda a Trensurb

👍 A Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb) foi criada estatal para garantir mobilidade urbana ao povo com o menor custo possível.


👎 Porém, o Governo Federal quer vendê-la, e prejudicar quem mais precisa do serviço: trabalhadores e estudantes.


😱 A tarifa poderá chegar a R$ 8, já que os novos donos da empresa vão querer recuperar o valor investido na compra.


💸 Sem contar que, ao deixar de ser estatal, ela perderá o subsídio (apoio financeiro do governo) de cerca de 50%, o que também vai encarecer a tarifa.


💔 Os prejuízos da venda da Trensurb serão imediatos, e vão esgualepar o bolso do povo.


✊ Precisamos defender a Trensurb e não deixar que vendam o que é dos gaúchos!

Privatizar a Eletrobras é caminho certo para o aumento da conta de energia

Você seria capaz de comemorar o fato de que a conta de luz poderá subir nos próximos anos muito acima das médias dos anos anteriores?

É exatamente o que alguns políticos, empresários, representantes das elites e setores da velha mídia parecem estar fazendo nos últimos dias, com o avanço da proposta que possibilita a privatização da Eletrobras.

Encaminhada pelo Governo Federal, a Medida Provisória (MP) 1.031/2020 foi aprovada na Câmara dos Deputados e, agora, será avaliada pelo Senado. Se for definitivamente aprovada, o Governo Federal deixará de ser o acionista majoritário da Eletrobras, que passará a ser controlada pelo setor privado.

A estatal é a maior empresa de energia elétrica da América Latina, responsável pela geração de 30% da energia do país e por 50% da transmissão em todo o território nacional.

Enquanto na Eletrobras as tarifas cobradas nas usinas são as mais baratas do país (hoje, em torno de R$ 65 por 1 mil quilowatt/hora), nas empresas privadas a tarifa chega a R$ 250 por 1 mil quilowatt/hora.

Por isso, especialistas já estimam que, de imediato, a privatização irá causar um aumento de 16% na conta de luz no país. Um impacto de, pelo menos, 12 bilhões por ano aos consumidores brasileiros. Será menos dinheiro no bolso das famílias e menos recursos circulando no país para aquecer a economia.

É mais um fator para diminuir ainda mais o poder de compra da população (que já convive com a crise econômica e a disparada nos preços de itens básicos, como alimentos, gás de cozinha e combustível) e das pequenas e médias empresas, que terão que gastar mais para se manterem abertas.

Ou seja, quem comemora este fato, só pode estar ganhando com a privatização, como já explicamos aqui.

A venda e o “jeitinho” das empresas sempre saírem ganhando

A Eletrobras possui 125 usinas de geração de energia espalhadas pelo país, aproximadamente 71.153 quilômetros de linhas de transmissão, além de 366 subestações. Todo esse patrimônio é avaliado em R$ 400 bilhões, mas como é de praxe nas privatizações brasileiras, a venda seria concretizada por bem menos do que a empresa vale.

Ainda não há valor definido, mas o governo Bolsonaro já sinalizou que pretende entregá-la por R$ 51 bilhões, sendo que metade do valor seria passado para os cofres da União e o restante transferido, em cotas anuais, para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), uma espécie de fundo com objetivo de conter avanços no preço da conta de energia, mas que, na prática, ajuda a subsidiar as grandes empresas do setor. Em outras palavras, é dinheiro que vai voltar para o caixa das próprias empresas.

Trata-se de mais uma tentativa de liquidar o patrimônio nacional, em que a todas as vantagens ficam para o lado de quem se apropriou do patrimônio público, enquanto os prejuízos recaem todos sobre a população.

Insegurança energética e ataque à soberania nacional

Além do encarecimento da tarifa, é importante dizer que, com a privatização da Eletrobras, o Brasil estará abrindo do controle sobre nossas águas (uma vez que os recursos hídricos são a principal matriz de geração de energia no país) e de toda nossa segurança energética.

Afinal, uma empresa estatal do porte da Eletrobras é fundamental para que, em momentos de crise, regiões inteiras não fiquem sem energia.

E a crise de abastecimento no Amapá no final de 2020 (onde a rede de energia elétrica está sob responsabilidade de uma empresa privada, mas que só foi resolvida depois que a Eletrobras socorreu o estado) e os históricos “apagões” da era Fernando Henrique Cardoso no país (após a diminuição do investimento público no setor) já são evidências fortes o suficiente para saber que a privatização da Eletrobras será extremamente prejudicial para o país.

Proteger o que é do povo

O ramo energético é incompatível com a lógica de retorno de lucro rápido e da diminuição de investimentos adotada pelas empresas privadas. Trata-se de um setor de alta complexidade, que exige investimentos robustos e certeiros, sob pena de prejudicar parcelas numerosas da população, especialmente as mais pobres.

Essa é a visão dos países mais ricos e desenvolvidos. Os Estados Unidos, por exemplo, não abrem mão de manter o controle da maioria do setor energético. Por lá em outros lugares, empresas do setor energético que foram privatizadas no passado estão sendo reestatizadas, justamente porque os preços subiram e a qualidade caiu.

O povo brasil não pode pagar mais essa conta só para que as elites e os políticos oportunistas continuem sendo beneficiados.

Em nome do desenvolvimento e da soberania nacional e da garantia de acesso à energia elétrica por um preço justo, é preciso barrar a MP 1.031 e impedir a privatização da Eletrobras no Senado.

Fonte: Sintec-RS

Privatizar a Eletrobrás é espalhar o apagão pelo país

Privatizar É espalhar o apagão

💡 A Eletrobras é a estatal da energia elétrica brasileira, e atua com controles de qualidade rigorosos e profissionais altamente capacitados para que milhões de brasileiros recebam um serviço contínuo e de qualidade.


Para atender a interesses das elites, o Governo Federal quer vendê-la a todo custo, nem que seja a preço de banana. Se isso acontecer, o apagão ocorrido no Amapá será uma realidade em todo o país.


🤬 Afinal, foi a incompetência da empresa privada (a espanhola Isolux) que deixou quase 90% dos amapaenses (cerca de 765 mil pessoas) no completo escuro por várias semanas, no final de 2020.


A quem o estado recorreu para resolver o problema?
À Eletrobras, que foi chamada para tirar o povo amapaense da escuridão, em meio à pandemia de Covid-19.


🛡 Somente se continuar estatal ela poderá livrar o Brasil dos apagões.


✊ Vamos fazer igual aos países desenvolvidos, que não privatizam um setor tão estratégico como o energético: não vamos deixar que vendam o que é dos gaúchos e dos brasileiros.