Posts

Trensurb: Há 36 anos aproximando os gaúchos

Trensurb Há 36 anos aproximando os gaúchos

🚟 Aproximadamente 228 mil pessoas utilizam o sistema da Trensurb todos os dias.
🤝 Fundada há 41 anos, a empresa iniciou suas operações 36 anos atrás, transformando a vida dos gaúchos.


❤️ Patrimônio dos gaúchos, ela garante serviços de qualidade e eficiência que somente uma estatal pode proporcionar.


🚆 Os trilhos da companhia, por meio de seus 43,8 quilômetros de extensão, ligam a capital Porto Alegre com os municípios da região metropolitana, de forma mais rápida e econômica do que qualquer outro meio de transporte.


👍 Feita para o povo, a sua existência é certeza que os trabalhadores e os estudantes que passam por suas estações terão, diariamente, a segurança e o conforto necessário para enfrentar o cotidiano.


🧐 Mas para que siga servindo o Rio Grande do Sul com excelência, é fundamental que permaneça estatal.


💥 Entregá-la para setores das elites mesquinhas e egoístas fará o nosso povo pagar mais caro por um serviço de pior qualidade.


🤚 Não vamos deixar que eles vendam o que é dos gaúchos!

Privatização da Eletrobras vai encarecer serviços e reviver “trauma” do apagão

Apagão.

O termo é bastante conhecido para quem viveu no Brasil no início dos anos 2000.

A falta de investimentos do governo Fernando Henrique Cardoso no setor de geração e transmissão de energia forçou os brasileiros a conviver com as constantes interrupções do fornecimento de luz, os apagões. Até hoje aquela foi a maior crise energética da história do Brasil.

Passados 20 anos, setores das elites que desejam se apropriar do patrimônio público parecem desejar que o Brasil seja condenado a repetir o episódio.

Com 313 votos a favor e 166 contrários, foi aprovada pela Câmara dos Deputados a Medida Provisória (MP) 1.031/2021, que autoriza a privatização da Eletrobras. A proposta ainda precisa da aprovação do Senado.

Se aprovada, a União deixará de ter o controle acionário da empresa, que passará para as mãos da iniciativa privada, onde o que manda é a lógica de lucro rápido e poucos investimentos, derrubando a qualidade dos serviços (exatamente o que levou o país à crise no início dos anos 2000).

Mas a chance de novos apagões está longe de ser a única consequência da privatização da Eletrobras.

Aumento da tarifa e insegurança energética

A Eletrobras é a maior empresa do setor no país e é responsável pela geração de 30% e distribuição de 45% de toda a energia do Brasil. No Rio Grande do Sul, a empresa atua por meio de sua subsidiária Eletrobras CGT Eletrosul.

Em cálculo da própria Associação de Engenheiros e Técnicos da Eletrobras estima-se que, se concretizada, a venda da estatal pode gerar um aumento imediato de, no mínimo, 14% na tarifa de energia elétrica no país.

Isso porque a Eletrobras passará a vender parte da produção das usinas no chamado “mercado livre”, onde hoje o preço do MegaWatt é maior do que o praticado pelo atual sistema de cotas da estatal. Ou seja, não haverá mais garantias de que a energia da Eletrobras será vendida por valores que não penalizam a população, especialmente a parcela mais pobre.

Além do modelo tarifário da empresa, é graças às redes de energia interligadas em todo o território nacional que a segurança energética está garantida para os brasileiros. Em momentos de crise é mais simples transferir energia de uma região para outra, o que não será mais possível com a privatização, que tende a “fatiar” parte da estrutura da Eletrobras em linhas independentes.

O governo brasileiro está querendo entregar para a iniciativa privada tudo o que foi construído ao longo de décadas. Foram anos de investimentos, desenvolvimento de tecnologias, construção e manutenção de estrutura (inclusive de corpo técnico qualificado) que consolidaram a Eletrobras como principal empresa do setor no país mas que, agora, ficarão nas mãos da iniciativa privada.

Na contramão do mundo

Por si só, esses argumentos já demonstram o tamanho do prejuízo que a venda da estatal vai render aos brasileiros.

Mas é preciso dizer mais. Afinal, nos últimos 20 anos, em países desenvolvidos a tendência tem sido reestatizar ou criar novas empresas ou serviços públicos. E adivinhe em qual setor esse tipo de operação tem sido mais comum? Sim, no setor energético.

Nada menos do que 374 serviços de energia foram reestatizados ou criados ao redor do mundo nas duas últimas décadas, em países desenvolvidos como Alemanha, Estados Unidos e França.

A justificativa para a retomada do controle desses serviços pelo Estado é justamente o aumento de tarifas, que prejudicava especialmente a população mais pobre, e a queda na qualidade dos serviços prestados durante o período em que a gestão estava nas mãos da iniciativa privada.

Não venda o que é dos gaúchos

No Brasil, as elites sempre se comportam de mesma forma. Após anos de trabalho duro do Estado, a iniciativa privada se aproveita de um governo disposto a fazer a vontade de grandes empresários e que não hesita em abrir mão do patrimônio público.

Está mais do que provado que, sem as estatais, quem sai perdendo é a população, especialmente as pessoas mais pobres, que podem ficar desassistidas com tarifas mais caras ou simplesmente com a interrupção dos serviços, uma vez que é praxe na iniciativa privada atuar apenas onde a lucratividade é maior.

A energia é um setor extremamente estratégico para o desenvolvimento de uma nação e seu controle não pode ficar nas mãos de empresários comprometidos apenas com lucro.

Ainda há tempo para agir e impedir que a privatização da Eletrobras seja concretizada.

Mande uma mensagem para os senadores do Rio Grande do Sul votarem contra a privatização da Eletrobras.

Senador Paulo Paim
E-mail: sen.paulopaim@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/paulopaim
Instagram: https://www.instagram.com/paulopaimsenador/

Senador Lasier Martins
E-mail: sen.lasiermartins@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/LasierMartinsOficial
Instagram: https://www.instagram.com/lasiermartins/

Senador Luis Carlos Heinze
E-mail: sen.luiscarlosheinze@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/SenadorHeinze
Instagram: https://www.instagram.com/senadorheinze/

Fonte: Sintec-RS

Mais que o saneamento do Estado, a Corsan cuida do nosso povo

ACorsanÉNossa

🙂 A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) é estatal, e foi criada para garantir qualidade de vida para o povo gaúcho.


Ela tem caixa próprio forte e sustentável, que lhe permite⤵
➡ Arcar com suas despesas sem depender do Estado

➡ Financiar políticas públicas fundamentais à população (como Educação, Saúde, Segurança Pública etc.)

➡ Repassar milhões de reais aos cofres públicos do Rio Grande do Sul, todos os anos

➡ Realizar investimentos contínuos e manter programas sociais, sem perder a saúde financeira

🤩 Ou seja, por ser estatal, a Corsan faz muito mais que o saneamento do nosso estado: ela cuida do nosso povo!

Porém, se for privatizada, ela será mais uma empresa para trazer prejuízos à população.

✊ Compartilhe esse post e nos ajude a impedir que o governador Eduardo Leite venda o que é dos gaúchos.

Os gaúchos precisam das Estatais

“Empresas estatais”.

Quando alguém fala sobre elas, é comum que alguns preconceitos automaticamente já venham à mente de uma parte da população.

Já demonstramos aqui que algumas distorções e mentiras fazem parte de um discurso utilizado apenas por aqueles que querem enganar a população e para que as elites ganhem cada vez mais dinheiro.

O que esses setores oportunistas não querem que as pessoas saibam é que as empresas estatais podem ajudar o desenvolvimento do país e do Rio Grande do Sul. Afinal, nosso estado tem estatais que prestam serviços essenciais à população e ainda podem desempenhar importante papel no desenvolvimento econômico, no combate à desigualdade social e na garantia de bem-estar da sociedade.

Mas antes de falar desses benefícios, você conhece algumas das principais estatais do Rio Grande do Sul?

Estatais estaduais

A Companhia Riograndense de Abastecimento (Corsan) atua em 317 municípios do estado, levando água tratada e rede de esgoto para quase 6 milhões de gaúchos. Graças à Corsan, o direito fundamental de acesso à água limpa está garantido para mais de 96% da população urbana dos municípios em que atua.

Já a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) trabalha na geração, distribuição e transmissão de energia em todo o estado. Fazem parte da estrutura da estatal, por exemplo, cinco usinas hidrelétricas, 56 subestações de energia e cerca de 6 mil quilômetros de linhas de transmissão. São mais de 1,7 milhão de clientes atendidos pela estatal.

Estatais federais

Além delas, existem empresas estatais que pertencem ao Governo Federal e atuam no Rio Grande do Sul, como a Trensurb (responsável pelo sistema de metrô de Porto Alegre) e, nos mais de 43 quilômetros de linha que administra, atende diariamente mais de 200 mil pessoas.

Outra estatal federal é a CGT Eletrosul, subsidiária da Eletrobras que atua na geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. A empresa conta com usinas e subestações espalhadas pelo estado que, somadas, proporcionam com uma capacidade instalada que pode atender até 12 milhões de pessoas.

Agora, que já conhecemos algumas dessas empresas, iremos apresentar de que formas as estatais podem ser utilizadas em benefício do povo.

O lucro

Um ponto bem importante para diferenciar empresas privadas das estatais é o que cada uma delas faz com o dinheiro que é ganho a partir de suas operações e oferta de serviços.

Empresas privadas repartem o lucro apenas entre donos e acionistas e, no caso de empresas estrangeiras, todo esse dinheiro sequer fica no país. Já as estatais usarão a lucratividade em benefício das pessoas, repassando os recursos para o Estado aplicar em saúde e educação, ou mesmo financiar programas e editais de cultura, produção de filmes, peças de teatros e até premiações para iniciativas de proteção ao meio-ambiente ou de incentivo ao esporte.

Por isso, embora não seja o propósito principal das estatais (que é atender a população com produtos e serviços de qualidade) o lucro dessas empresas é extremamente estratégico para o conjunto da sociedade.

Quanto mais fortalecidas as estatais, mais a população tem a ganhar.

Política de preços e fortalecimento de cadeias produtivas

Outro ponto importante para a valorização das estatais é que, como essas empresas não têm compromisso exclusivo com o lucro, podem desempenhar um importante papel na política de preços de produtos e serviços.

Especialmente em períodos de crise, as estatais são importantes para segurar o aumento repentino de preços e tarifas (que penaliza especialmente os mais pobres), impedindo que o poder de compra de toda a população seja corroído, afetando outros setores da economia.

Além disso, as estatais podem priorizar a compra de insumos ou materiais da própria indústria nacional e regional, o que alavanca cadeias produtivas, movimenta a economia e fortalece a geração de emprego e renda dentro do país e do próprio estado. Já as empresas privadas irão comprar de quem oferecer o menor preço, mesmo que sejam fornecedores externos.

Desenvolvimento tecnológico

Também por não terem compromisso somente com o lucro, as estatais são importantes para o investimento e o desenvolvimento de políticas de longo prazo, que resultam, por exemplo, em inovações tecnológicas que, no futuro, aumentarão a qualidade e eficiência dos serviços prestados.

Na iniciativa privada, a necessidade de retorno rápido de investimentos é incompatível com essa possibilidade. Por isso, as estatais lideram nos quesitos de pesquisa e desenvolvimento porque têm coragem para isso.

Não venda o que é dos gaúchos

Como vimos, a valorização das empresas estatais vai muito além da garantia da prestação de bons serviços à população.

Ao entregar essas estruturas valiosas para a iniciativa privada, o governo está abrindo mão de atuar em benefício de toda sociedade para agradar apenas aqueles poucos empresários que farão dinheiro com as privatizações.

Fonte: Sintec-RS