Posts

Países desenvolvidos reestatizaram mais de 1.400 serviços privatizados

Países desenvolvidos reestatizaram mais de 1.400 serviços privatizados

🌍 Diversos países têm percebido o que os brasileiros há muito sentem na pele: as privatizações não funcionam, pois encarecem e reduzem a qualidade dos serviços, atrapalhando o desenvolvimento.

✔ Enquanto governos que só têm compromisso com os mais ricos, como o de Eduardo Leite, traçaram como meta privatizar o máximo possível de empresas essenciais (como Corsan e a CEEE), países desenvolvidos estão reestatizando, ou seja, revertendo a privatizações realizadas no passado.

🧐 Um levantamento feito pela ONG TNI (sediada na Holanda) mostra que, nos últimos 20 anos, 924 serviços foram reestatizados e outros 484 novos serviços estatais foram criados, em 58 países, especialmente nos mais ricos e desenvolvidos, como Alemanha, França, Inglaterra, Noruega e até nos Estados Unidos.

🤔 Então, por que os governos de Eduardo Leite e de Jair Bolsonaro não seguem o mesmo caminho que os países mais desenvolvidos?

✋ Não devemos ir na contramão do mudo moderno e repetir privatizações fadadas ao fracasso. Devemos olhar para o futuro e impedir que eles vendam o que é dos gaúchos!

Enquanto países desenvolvidos reestatizam, governo Leite quer privatizar a água dos gaúchos

A voracidade do mercado privado mira sempre naquilo que é essencial para maximizar seus lucros. E quando se trata de água e esgoto, o impacto que isso gera na vida das pessoas é ainda maior.

A Empresa Riograndense de Saneamento (Corsan), é mais uma estatal, que fornece serviços essenciais, na mira do governo Eduardo Leite.

Para agradar o mercado e se alinhar com a política adotada pelo governo de Jair Bolsonaro, que foca no desmonte das empresas públicas para entregá-las aos mais ricos, o governador do Rio Grande do Sul tem tentado agilizar o processo de entrega do controle da água dos gaúchos e gaúchas para o mercado privado.

Em vários países do mundo a privatização da água não resolveu nada, pelo contrário.

Reestatizar tem sido a solução para os problemas da privatização          

A mito de que privatizar melhora tudo não se apoia na realidade. Ainda mais quando se trata de serviços públicos essenciais, como a água.

Já que há uma omissão grande com relação as informações sobre os malefícios da privatização, talvez alguns dados que pouco circulam na imprensa possam ajudar a entender o que acontece no Brasil e no mundo com a privatização dos serviços de água e esgoto.

Você sabia que o Brasil é vice-líder em reestatização de água e saneamento no mundo, com 78 casos confirmados? São 77 municípios do Tocantins e mais Itu, no estado de São Paulo. Em primeiro lugar no ranking mundial está a França, com 106 casos, segundo balanço do Transnational Institute (TNI) que mapeou 267 casos no mundo, ocorridos a partir do ano 2000.

Tarifas altas, falta de transparência, evasão de divisas e valores altíssimos pagos aos empresários e acionistas estão entre os crimes cometidos por empresas privadas que assumiram a gestão da água em muitos países. 

O Brasil, em 2017, somava 245 dos 5.570 municípios com contratos de concessão de água e esgoto repassados para a iniciativa privada. 58% desses grupos atuantes no setor possuem fundos de investimento e instituições financeiras entre seus controladores, sendo que dois dos maiores – BRK Ambiental (ex-Odebrecht Ambiental) e Iguá Saneamento (ex-CAB, da Queiroz Galvão) são totalmente controlados por instituições financeiras.

Por isso, as privatizações atendem à busca incessante dessas instituições financeiras por lucros cada vez maiores, e não à necessidade de fornecimento de água de qualidade e serviço de tratamento de esgoto à população. 

A água é nossa!

Permitir que nossa água seja controlada por empresas privadas é entregar um bem que é de todos. Não faltam exemplos de que a transferência da gestão desse recurso natural, o mais importante do planeta, sirva para engordar os bolsos de acionistas e especuladores do mercado financeiro.

Se o governador Eduardo Leite realmente se preocupasse com nosso estado e seu povo, jamais daria continuidade a esse projeto de privatização.

Não deixe nossa água ser moeda para quem lava as mãos com dinheiro sobre a responsabilidade com a população.

Não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

Privatização da Eletrobras: o povo pagará (caro) essa conta

A Eletrobras é um bem nacional e estratégico, mas Bolsonaro quer entregá-la para o mercado. Desabastecimento, piora na qualidade, aumento de 20% nas contas e prejuízo de R$ 150 bilhões para a população serão apenas alguns dos inúmeros impactos da privatização.

Fonte: SINTEC-RS

Corsan não precisa ser vendida para atender o povo com excelência

Corsan não precisa ser vendida para atender o povo com excelência

🙌 Até 2033, a Corsan ajudará a garantir coleta e tratamento de esgotos a 90% da população gaúcha – conforme a atualização do marco legal do saneamento (Lei 14.026/2020).

Mas, para isso, ela não precisa ser privatizada!

💰 Em fevereiro, ela captou R$ 600 milhões em títulos de renda fixa (uma espécie de empréstimo chamado “debêntures” para o governo). E em dezembro de 2020, ela já havia captado outros R$ 499,8 milhões!

Os títulos foram negociados na Bolsa de Valores oficial do país, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

💪 E isso só foi possível porque a Corsan é uma empresa sólida, confiável e com boas práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança) e muito lucrativa: R$ 480 milhões de lucro líquido em 2020.

Ou seja, ela não precisa deixar de ser estatal para fazer o excelente trabalho que já faz!

✊ Por isso, não podemos deixar que vendam o que é dos gaúchos!

Privatização da Eletrobrás vai aumentar a conta de luz e não impede apagões

Como se já não bastasse o botijão de gás custando R$100,00, em média, com o preço da gasolina acima de R$5,00 em boa parte do país – provocando uma cadeia de aumentos nos alimentos, produtos industrializados e serviços em geral -, agora está no horizonte da política do Governo Bolsonaro gerar mais um aumento, dessa vez na energia elétrica.

Aprovada no Congresso Nacional, a Medida Provisória encaminhada pelo governo que facilita a privatização a empresa será mais um golpe no bolso dos brasileiros.

Se isso for efetivado, a conta de luz dos brasileiros vai ficar mais cara.

Pesquisadores do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) calculam que, na prática, nos próximos seis meses, o quilowatt-hora (kWh) terá seu valor quadruplicado e uma conta de luz que, hoje, fica na casa de R$ 130,00 saltará para a faixa dos R$ 300,00.

Enquanto na Eletrobras os valores cobrados nas usinas eram os mais baratos do país, em torno de R$ 65 por 1 mil quilowatts/hora, no mercado privado a tarifa chega a R$ 250 por 1 mil quilowatts/hora.

Responsável pela geração de 30% da energia do país e por 50% da transmissão em todo o território nacional, a venda da Eletrobras significa a transferência da autonomia do Brasil em energia elétrica para as mãos de empresas privadas, que não tem outra prioridade se não o lucro.

Privatização não vai vender só nossa energia, mas também nossa água

A venda da Eletrobras não impacta apenas na conta de luz. Em meio a uma das maiores crises hídricas da história do país, a venda dos ativos da empresa inclui também o controle sobre os reservatórios das hidrelétricas.

Cerca de 70% da água armazenada, que é utilizada na agricultura e no abastecimento de cidades, está nesses reservatórios.

Com a estiagem em muitos estados, essa água tem sido usada sem que haja reposição. Assim, os reservatórios baixaram a níveis críticos, comprometendo também a produção de energia nas hidrelétricas.

A venda da Eletrobras também vai colocar o acesso a esse recurso nas mãos do controle privado, trazendo um impacto ainda maior na economia como um todo, já que essa água não é apenas para gerar energia, mas também fundamental para a indústria, agronegócio e, mais ainda, para o dia a dia da população.

Defender o que é nosso

A geração de energia não é um setor isolado. Hoje, a parte do sistema brasileiro controlada pela Eletrobras é interligada e, quando falta luz em uma determinada região ainda há, devido a esse sistema, alternativas para redistribuir energia em caso de falhas ou emergências.

Com o fatiamento do setor e sua privatização não contaremos mais com um sistema nacional integrado. Teremos que recorrer às empresas cujo único compromisso é com o lucro, ficando dependente deles para acessar recursos que pertencem à nação.

Isso ficou evidente no apagão que ocorreu no estado do Amapá, no final de 2020, quando problemas na rede gerenciada por uma multinacional espanhola Isolux, que é privada, deixou a população sem energia por mais de duas semanas.

A situação era tão absurda que a empresa nem tinha escritório de representação no estado. A péssima qualidade dos serviços, por sinal, é uma marca dessa empresa no mundo todo, com histórico de diversos problemas e prejuízos causados em vários países onde atua ou atuava.

No final, a situação só foi regularizada porque a Eletrobras interveio para solucionar o problema.

Não podemos esperar esse cenário nos abater. A venda do patrimônio brasileiro para atender demandas particulares de empresários e grupos econômicos de poder é um crime contra a população.

Fonte: SINTEC-RS

Privatizar a Trensurb pode repetir o caos da Supervia no Rio de Janeiro

Privatizar a Trensurb pode repetir o caos da Supervia no Rio de Janeiro

😔 Há 23 anos, a SuperVia foi privatizada e opera o serviço de trens urbanos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

🥀 De lá para cá, o sistema foi severamente castigado: acumula defeitos e problemas e não atende às necessidades básicas dos usuários (segurança, pontualidade e conforto).

Mesmo assim, tem a tarifa mais cara do país: R$ 5,90. 😤

🤨 Veja só, ela foi privatizada, mas precisa do poder público para cobrir as suas dívidas e continuar operando: deve R$ 840 milhões para o BNDES (o maior credor).

❗ Esse pode ser o futuro dos gaúchos, se a Trensurb, que pertence ao Governo Federal, for privatizada!

👉 O setor privado não é focado em atender as demandas do povo, mas sim em gerar lucros para seus donos.

E, com isso, a população sofrerá com um serviço caro e de má qualidade. 😢

✋ Precisamos defender a Trensurb. O governo não pode vender o que é dos gaúchos!

Privatizar é andar na contramão dos países desenvolvidos

Privatizar é andar na contramão dos países desenvolvidos

😥 Em países do mundo todo, as privatizações não beneficiam o povo porque geram tarifas maiores e serviços de pior qualidade.

Por isso, a “reestatização” se tornou uma tendência mundial: é o retorno à gestão estatal de serviços ou empresas que foram privatizados.

🌎 Nos últimos anos, mais de 1.400 empresas públicas foram criadas ou reestatizadas em todo o planeta, consertando os problemas causados pelas privatizações – sobretudo em países considerados desenvolvidos.

Com a medida, os serviços melhoram e as tarifas foram reduzidas.

💪 Já as comunidades ao redor das empresas reestatizadas tiveram a economia aquecida, criação de bons empregos, e surgimento de novos negócios e centros de pesquisa!

👉 Mas aqui no Rio Grande do Sul o governo de Eduardo Leite vai na contramão dos países desenvolvidos e pretende liquidar com todo o patrimônio público.

❗ Devemos nos unir para que o governo não venda o que é dos gaúchos!

Eduardo Leite passou a boiada para vender a CEEE

😠 Em vez de cuidar do nosso Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite “passa a boiada” no Palácio Piratini.

Para vender nossas estatais, ele conseguiu apoio na Assembleia Legislativa para retirar o dispositivo constitucional que estabelecia uma consulta ao povo gaúcho (por plebiscito), pois sabe que somos contrários à privatização.

Juntos, eles tiraram do povo o poder de decidir sobre o próprio futuro.

🤯 Dessa forma, ele vendeu a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D), e quer privatizar outras estatais – descumprindo sua promessa de campanha.  

E mais: Eduardo Leite tem escondido informações sobre a venda da CEEE e sobre seus atos no governo, deixando o povo “no escuro”.

Sem transparência na prestação de contas, o governador passa por cima dos nossos interesses para alçar voos mais altos na política.

✋ Precisamos dar um basta no método “passa a boiada” de Eduardo Leite. Ele não pode vender o que é dos gaúchos!

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

💧 Desde crianças, somos ensinados que a água não tem dono.


🌍 Afinal, ela é um recurso natural do planeta, e essencial para a vida de todos os seres vivos.
🤯 Mas o governo do Rio Grande do Sul quer efetivar a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) porque trata a água como mercadoria, para gerar lucro para setores da elite que já têm muito dinheiro.


🤝 Criada há 55 anos, a Corsan garante a cidadania da população gaúcha, levando saneamento e água tratada para mais de 96% da população do RS.


💙 Como estatal, os valores praticados pela companhia são mais justos, com tarifas diferenciadas de acordo com o nível socioeconômico de cada família; e os serviços são abrangentes, chegando em todos os cantos do estado.


😰 Entregá-la de mão beijada para grandes empresários é aumentar ainda mais o nível de desigualdade social da população, e fazer com que as camadas mais pobres deixem de ter acesso à água.


👉 O que é patrimônio de todos os gaúchos não pode ser vendido.


✊ Quem é daqui, defende a Corsan estatal.

Eduardo Leite tem pressa para entregar o controle da água para empresários gananciosos

Novamente, o governador Eduardo Leite passou por cima da opinião e dos interesses do povo gaúcho, descumpriu sua promessa de campanha eleitoral, e colocou mais uma estatal do nosso estado na mira da privatização.


Em julho de 2021, ele protocolou o Projeto de Lei (PL) que autoriza a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) – apenas quatro meses depois de ter privatizado, a preço de banana, outra estatal dos gaúchos, a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D).


Nossas estatais são estratégicas para o desenvolvimento e para a garantia do bem-estar da população do Rio Grande do Sul. Suas vendas não são meras transações comerciais, mas sim o desmonte do nosso estado e dos direitos da população – por isso, o governador faz tudo sem dialogar com a sociedade.


Ao privatizar nossas estatais, Eduardo Leite mostra, de forma muito objetiva, que não quer cuidar do Rio Grande do Sul e do povo.


Mas o que mudou entre as eleições e os dias atuais? Por que, em tão pouco tempo, ele mudou de postura e deixou de lado o discurso que usou para ser eleito?


Sua ideia é mostrar ao mercado que ele é capaz de “passar a boiada” e entregar o patrimônio gaúcho, em meio à pandemia de Covid-19. Dessa forma, ele tenta se viabilizar como o candidato dos mais ricos à presidência da República em 2022.

Importância da Corsan


Estatal, a Corsan atende demandas essenciais do Rio Grande do Sul: 96,7% do abastecimento de água potável, 16,3% do tratamento de esgoto, e o tratamento de alguns efluentes industriais em diferentes munícipios.


Ela atende cerca de seis milhões de pessoas, em 317 municípios do estado, e é uma companhia sólida, confiável, com boas práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança) e muito lucrativa (R$ 480 milhões de lucro líquido, em 2020).


Se for privatizada, os serviços de água e esgoto ficarão entre 30% e 40% mais caros e perderão a qualidade, as famílias de baixa renda perderão a tarifa social, os municípios menores perderão o subsídio cruzado, e muitos outros prejuízos serão pagos pelo povo.


Sabendo que a população seria contra a venda das estatais, Eduardo Leite retirou a exigência de um plebiscito (dispositivo constitucional que determinava uma consulta à população) em caso de privatização, com o apoio de sua fiel base na Assembleia Legislativa.


E mais: para tentar iludir os prefeitos que continuam resistindo à venda da Corsan, o governador encaminhou, também, uma proposta de regionalização do saneamento básico no estado, para 307 municípios.


A entrega da estatal está sendo feita em regime de urgência e, para sua aprovação, bastarão apenas os votos de 28 deputados (maioria simples).


É importante lembrar que diversos políticos apoiam projetos de privatização pensando em ganhar algo em troca, durante o processo, seja vendendo o voto ou pela intermediação das negociações. Privatização é um prato cheio para o enriquecimento ilícito de políticos corruptos.

Mas ainda há tempo de impedir esse desastre!


O povo gaúcho ainda pode impedir que Eduardo Leite entregue nossa água para empresários gananciosos.


É preciso pressionar os deputados estaduais contra a venda da Corsan.
Eles não são donos da água. Ela é um bem de toda a população, e deve continuar assim!

Fonte: SINTEC-RS