Posts

Eduardo Leite tem pressa para entregar o controle da água para empresários gananciosos

Novamente, o governador Eduardo Leite passou por cima da opinião e dos interesses do povo gaúcho, descumpriu sua promessa de campanha eleitoral, e colocou mais uma estatal do nosso estado na mira da privatização.


Em julho de 2021, ele protocolou o Projeto de Lei (PL) que autoriza a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) – apenas quatro meses depois de ter privatizado, a preço de banana, outra estatal dos gaúchos, a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D).


Nossas estatais são estratégicas para o desenvolvimento e para a garantia do bem-estar da população do Rio Grande do Sul. Suas vendas não são meras transações comerciais, mas sim o desmonte do nosso estado e dos direitos da população – por isso, o governador faz tudo sem dialogar com a sociedade.


Ao privatizar nossas estatais, Eduardo Leite mostra, de forma muito objetiva, que não quer cuidar do Rio Grande do Sul e do povo.


Mas o que mudou entre as eleições e os dias atuais? Por que, em tão pouco tempo, ele mudou de postura e deixou de lado o discurso que usou para ser eleito?


Sua ideia é mostrar ao mercado que ele é capaz de “passar a boiada” e entregar o patrimônio gaúcho, em meio à pandemia de Covid-19. Dessa forma, ele tenta se viabilizar como o candidato dos mais ricos à presidência da República em 2022.

Importância da Corsan


Estatal, a Corsan atende demandas essenciais do Rio Grande do Sul: 96,7% do abastecimento de água potável, 16,3% do tratamento de esgoto, e o tratamento de alguns efluentes industriais em diferentes munícipios.


Ela atende cerca de seis milhões de pessoas, em 317 municípios do estado, e é uma companhia sólida, confiável, com boas práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança) e muito lucrativa (R$ 480 milhões de lucro líquido, em 2020).


Se for privatizada, os serviços de água e esgoto ficarão entre 30% e 40% mais caros e perderão a qualidade, as famílias de baixa renda perderão a tarifa social, os municípios menores perderão o subsídio cruzado, e muitos outros prejuízos serão pagos pelo povo.


Sabendo que a população seria contra a venda das estatais, Eduardo Leite retirou a exigência de um plebiscito (dispositivo constitucional que determinava uma consulta à população) em caso de privatização, com o apoio de sua fiel base na Assembleia Legislativa.


E mais: para tentar iludir os prefeitos que continuam resistindo à venda da Corsan, o governador encaminhou, também, uma proposta de regionalização do saneamento básico no estado, para 307 municípios.


A entrega da estatal está sendo feita em regime de urgência e, para sua aprovação, bastarão apenas os votos de 28 deputados (maioria simples).


É importante lembrar que diversos políticos apoiam projetos de privatização pensando em ganhar algo em troca, durante o processo, seja vendendo o voto ou pela intermediação das negociações. Privatização é um prato cheio para o enriquecimento ilícito de políticos corruptos.

Mas ainda há tempo de impedir esse desastre!


O povo gaúcho ainda pode impedir que Eduardo Leite entregue nossa água para empresários gananciosos.


É preciso pressionar os deputados estaduais contra a venda da Corsan.
Eles não são donos da água. Ela é um bem de toda a população, e deve continuar assim!

Fonte: SINTEC-RS

Mais que o saneamento do Estado, a Corsan cuida do nosso povo

ACorsanÉNossa

🙂 A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) é estatal, e foi criada para garantir qualidade de vida para o povo gaúcho.


Ela tem caixa próprio forte e sustentável, que lhe permite⤵
➡ Arcar com suas despesas sem depender do Estado

➡ Financiar políticas públicas fundamentais à população (como Educação, Saúde, Segurança Pública etc.)

➡ Repassar milhões de reais aos cofres públicos do Rio Grande do Sul, todos os anos

➡ Realizar investimentos contínuos e manter programas sociais, sem perder a saúde financeira

🤩 Ou seja, por ser estatal, a Corsan faz muito mais que o saneamento do nosso estado: ela cuida do nosso povo!

Porém, se for privatizada, ela será mais uma empresa para trazer prejuízos à população.

✊ Compartilhe esse post e nos ajude a impedir que o governador Eduardo Leite venda o que é dos gaúchos.

Os gaúchos precisam das Estatais

“Empresas estatais”.

Quando alguém fala sobre elas, é comum que alguns preconceitos automaticamente já venham à mente de uma parte da população.

Já demonstramos aqui que algumas distorções e mentiras fazem parte de um discurso utilizado apenas por aqueles que querem enganar a população e para que as elites ganhem cada vez mais dinheiro.

O que esses setores oportunistas não querem que as pessoas saibam é que as empresas estatais podem ajudar o desenvolvimento do país e do Rio Grande do Sul. Afinal, nosso estado tem estatais que prestam serviços essenciais à população e ainda podem desempenhar importante papel no desenvolvimento econômico, no combate à desigualdade social e na garantia de bem-estar da sociedade.

Mas antes de falar desses benefícios, você conhece algumas das principais estatais do Rio Grande do Sul?

Estatais estaduais

A Companhia Riograndense de Abastecimento (Corsan) atua em 317 municípios do estado, levando água tratada e rede de esgoto para quase 6 milhões de gaúchos. Graças à Corsan, o direito fundamental de acesso à água limpa está garantido para mais de 96% da população urbana dos municípios em que atua.

Já a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) trabalha na geração, distribuição e transmissão de energia em todo o estado. Fazem parte da estrutura da estatal, por exemplo, cinco usinas hidrelétricas, 56 subestações de energia e cerca de 6 mil quilômetros de linhas de transmissão. São mais de 1,7 milhão de clientes atendidos pela estatal.

Estatais federais

Além delas, existem empresas estatais que pertencem ao Governo Federal e atuam no Rio Grande do Sul, como a Trensurb (responsável pelo sistema de metrô de Porto Alegre) e, nos mais de 43 quilômetros de linha que administra, atende diariamente mais de 200 mil pessoas.

Outra estatal federal é a CGT Eletrosul, subsidiária da Eletrobras que atua na geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. A empresa conta com usinas e subestações espalhadas pelo estado que, somadas, proporcionam com uma capacidade instalada que pode atender até 12 milhões de pessoas.

Agora, que já conhecemos algumas dessas empresas, iremos apresentar de que formas as estatais podem ser utilizadas em benefício do povo.

O lucro

Um ponto bem importante para diferenciar empresas privadas das estatais é o que cada uma delas faz com o dinheiro que é ganho a partir de suas operações e oferta de serviços.

Empresas privadas repartem o lucro apenas entre donos e acionistas e, no caso de empresas estrangeiras, todo esse dinheiro sequer fica no país. Já as estatais usarão a lucratividade em benefício das pessoas, repassando os recursos para o Estado aplicar em saúde e educação, ou mesmo financiar programas e editais de cultura, produção de filmes, peças de teatros e até premiações para iniciativas de proteção ao meio-ambiente ou de incentivo ao esporte.

Por isso, embora não seja o propósito principal das estatais (que é atender a população com produtos e serviços de qualidade) o lucro dessas empresas é extremamente estratégico para o conjunto da sociedade.

Quanto mais fortalecidas as estatais, mais a população tem a ganhar.

Política de preços e fortalecimento de cadeias produtivas

Outro ponto importante para a valorização das estatais é que, como essas empresas não têm compromisso exclusivo com o lucro, podem desempenhar um importante papel na política de preços de produtos e serviços.

Especialmente em períodos de crise, as estatais são importantes para segurar o aumento repentino de preços e tarifas (que penaliza especialmente os mais pobres), impedindo que o poder de compra de toda a população seja corroído, afetando outros setores da economia.

Além disso, as estatais podem priorizar a compra de insumos ou materiais da própria indústria nacional e regional, o que alavanca cadeias produtivas, movimenta a economia e fortalece a geração de emprego e renda dentro do país e do próprio estado. Já as empresas privadas irão comprar de quem oferecer o menor preço, mesmo que sejam fornecedores externos.

Desenvolvimento tecnológico

Também por não terem compromisso somente com o lucro, as estatais são importantes para o investimento e o desenvolvimento de políticas de longo prazo, que resultam, por exemplo, em inovações tecnológicas que, no futuro, aumentarão a qualidade e eficiência dos serviços prestados.

Na iniciativa privada, a necessidade de retorno rápido de investimentos é incompatível com essa possibilidade. Por isso, as estatais lideram nos quesitos de pesquisa e desenvolvimento porque têm coragem para isso.

Não venda o que é dos gaúchos

Como vimos, a valorização das empresas estatais vai muito além da garantia da prestação de bons serviços à população.

Ao entregar essas estruturas valiosas para a iniciativa privada, o governo está abrindo mão de atuar em benefício de toda sociedade para agradar apenas aqueles poucos empresários que farão dinheiro com as privatizações.

Fonte: Sintec-RS

Saiba se a mentira do “cabide de emprego” nas empresas estatais pegou você

Quantas vezes você já ouviu alguém falando que determinada empresa estatal é um “cabide de emprego”?

A expressão é muito utilizada quando se pensa em nepotismo (empregar parentes), indicações políticas e ocupação de cargos por “apadrinhados” em alguns setores ou empresas inteiras.

Esse argumento tem se repetido à exaustão por políticos e comentaristas com espaço na velha mídia para justificar a privatização de empresas estatais. Eles enganam a população, dizendo que a privatização iria “libertar” as estatais do controle político e aumentar sua eficiência.

Mas há alguma verdade nisso?

Bom, para verificar, o primeiro passo é saber como as estatais contratam pessoas para seu quadro de funcionários.

E a resposta é simples: a esmagadora maioria dos cargos é ocupada por pessoas aprovadas em concursos públicos (geralmente concorridíssimos e muito difíceis, diga-se de passagem).

Concursos públicos não levam em consideração parentesco, filiação partidária, ideologia, religião ou relacionamentos pessoais.

Assim, além de atestar a qualidade do funcionário que irá ingressar na estatal, o concurso blinda a empresa daquilo que é frequentemente usado (de maneira errada) para desqualificá-la: as interferências políticas.

Não confundir

É evidente que existe a possibilidade da nomeação de pessoas não concursadas para cargos comissionados, para funções estratégicas e de chefia e administração. É assim no mundo inteiro, inclusive nos países mais desenvolvidos. Em tese, deveriam ser pessoas com alta qualificação e experiência para contribuir com a gestão.

Proporcionalmente, apenas uma pequena parcela começa a trabalhar meramente por indicação política, e não por qualificação. É justamente aí que deve haver mecanismos para garantir maior rigor nas escolhas.

Estabilidade

Outra estratégia para deslegitimar as estatais é esconder um detalhe fundamental na relação com os funcionários da empresa: mesmo aprovados em concursos públicos, eles são contratados no regime CLT, com regras semelhantes às do setor privado.

Ou seja, não há estabilidade no emprego e os funcionários podem ser demitidos a qualquer momento se não estiverem cumprindo com sua função ou praticando atos ilícitos.

É mais uma barreira para garantir o bom funcionamento das estatais (e desmente o mito do “cabide de emprego”).

Qualificação

Além de terem a qualidade comprovada pelos concursos e a possibilidade de demissão quando não há comprometimento no trabalho, os funcionários de empresas estatais passam por programas de qualificação e aperfeiçoamento constante.

É o que acontece, por exemplo, com empresas como a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE), que participam de oferecem cursos visando o aprimoramento técnico dos funcionários, especialmente aos recém-chegados.

É por isso que as estatais possuem quadros de funcionários competentes e que passam por constantes programas de capacitação e aperfeiçoamento, construindo carreiras mais longas do que, em geral, ocorre na iniciativa privada.

Estratégicas

Essas mentiras contra as estatais servem apenas para enganar a população, desmoralizando as empresas públicas para tornar as privatizações mais fáceis e agradar as elites (as do Brasil estão entre as mais mesquinhas e egoístas do mundo, segundo estudos).

Privatizações significam o desmonte de todo o conhecimento, estrutura e experiência de quem já atuava na empresa (a demissão em massa é sempre o primeiro resultado das privatizações) para, na maioria das vezes, contratar empregados com salários mais baixos (por causa da menor qualificação), o que vai refletir diretamente na qualidade dos serviços prestados.

Longe de ser “cabide de empregos”, as estatais são estratégicas para a população. Embora a imensa maioria seja extremamente lucrativa, elas não têm como objetivo exclusivo o lucro e contribuem para a qualidade de vida da sociedade e para o desenvolvimento econômico regional e de todo o país.