Posts

Privatização da Eletrobrás e CGT-Eletrosul: O mercado lucra, mas a conta sobra só para você

A conta de luz deve ficar ainda maior com a privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias. Além de ser a maior empresa de produção e distribuição de energia elétrica da América Latina, sendo um bem nacional que nenhum país razoável abriria mão, a privatização dela vai permitir que os ganhadores tentem aproximar seus lucros de acordo com os patamares do mercado.


Para se ter uma ideia, a Eletrobrás é responsável por 48 hidroelétricas, 112 termoelétricas, a gás, óleo e carvão, 2 nucleares, 70 eólicas e 1 solar. Isso representa quase um 1/3 da produção de energia elétrica no país, cerca de 31%. Além disso, a empresa detém mais de 70 mil quilômetros das linhas de distribuição, sendo responsáveis por 64% da transmissão de energia doméstica e industrial no país.


Tudo isso feito com dinheiro público ao longo de décadas. Então, sem a Eletrobrás, o país mergulha em uma escuridão pela qual ele pagou para não estar.


Justamente por ser uma empresa pública, controlada pelo Estado, a Eletrobrás e suas subsidiárias de energia, entre elas a CGT-Eletrosul, conseguem oferecer o menor preço do mercado. Hoje, pagamos cerca de 60 Reais megawatt hora. No mercado privado esse valor é de 300 Reais o megawatt hora!


Assim, para se manter com níveis de lucratividade equivalentes aos parâmetros do mercado, a estimativa é que as empresas privadas vencedoras tenham que aumentar nossa conta de luz entre 10% e 20%.

Crise hídrica, apagões e preço dos alimentos


As hidroelétricas da Eletrobrás detêm hoje 52% da água armazenada no Brasil. A água é a principal fonte de geração de energia no país, mas também sem ela não se produz alimento ou se coloca para funcionar uma indústria.


Os reservatórios das hidroelétricas são responsáveis por 70% da água para irrigação na agricultura, por isso que a gestão desse recurso é fundamental para garantir a sobrevivência física, econômica e social no Brasil, como em qualquer lugar do mundo. Por isso é tão estratégico.


Mais do que a privatização de uma empresa, que dá controle para um recurso tão importante como energia elétrica, a venda da Eletrobrás compromete a autonomia do país em outro recurso indispensável: a água.


Diversas regiões do país estão enfrentando estiagens mais longas. O efeito imediato dessas estiagens é o aumento do consumo de água armazenada, comprometendo assim a geração de energia elétrica. Em razão disso há um aumento na produção de energia termoelétrica, que é a principal alternativa disponível hoje.


Por serem abastecidas com gás e óleo (que também não estão nada baratos) resultam numa conta mais cara a ser paga pelo consumidor.


A venda da Eletrobrás também preocupa em termos logísticos. Já que no Brasil há um sistema nacional de distribuição de energia, interligado por todo o território brasileiro. Isso permite uma organização, centralizada na responsabilidade do governo, para distribuir a energia produzida de forma a atender as demandas de um país tão grande quanto o nosso.
A privatização vai cortar essa interligação, já que mais de uma empresa deve assumir partes do mercado de energia nacional que, sem controle majoritário do Estado, compromete a articulação do sistema em todo o país.


Privatizar a Eletrobrás é um crime contra o futuro do Brasil.

Fonte: SINTEC-RS

Privatizar o patrimônio dos gaúchos não afasta os corruptos (na verdade, os atraí)

Privatizar não afasta corruptos

😓 Representando os desejos das elites oportunistas, do mercado financeiro e da velha mídia, o governo do Rio Grande do Sul quer entregar algumas das mais importantes estatais gaúchas, como a Corsan e a CEEE, assim como o Governo Federal quer fazer com a Trensurb e a CGT Eletrosul.


💣 Mas a história do Brasil demonstra claramente como a aproximação entre o setor público – através de políticos oportunistas – e a iniciativa privada pode ser ruim para o país. Via de regra, a corrupção no poder público envolve também uma empresa privada no esquema.


➡ Além disso, empresas privadas sonegam mais de R$ 500 bilhões por ano no Brasil, o que é mais de 3 vezes o montante estimado em perdas por corrupção.


➡ E as privatizações também não afastam os políticos oportunistas. Pelo contrário, a maioria deles trabalha a serviço de empresas, e não do povo.


🤯 É por isso que esses grupos políticos, de mídia e empresários corruptos intentam contra o patrimônio estadual.


✊ A população do estado se mantém atenta, defendendo o Rio Grande do Sul contra quem quer vender o que é dos gaúchos!

Não venda o que é dos gaúchos!

O governador Eduardo Leite passou por cima dos gaúchos e alterou a Constituição do Rio Grande do Sul para deixar seu caminho livre para concluir seu desejo de privatizar nossas empresas estatais sem passar por um plebiscito. Não venda o que é dos gaúchos!