Posts

“Privatiza tudo” é discurso para beneficiar os ricos

“Privatiza tudo” é discurso para beneficiar os ricos

🙄 “Tem que privatizar tudo!” ou “privatiza tudo” são duas expressões repetidas como se fossem mantras nas redes sociais, estimuladas pelas elites ricas, mas repetidas até pelas pessoas que serão prejudicadas com isso.

👀 É como se dinossauros defendessem o meteoro que causou sua extinção. Muitas pessoas bem percebem que estão defendendo o fim de seus próprios direitos.

🤥 O governo e as ‘elites’ sabem que 67% da população é contra as privatizações. Por isso, esses setores ligados aos interesses das camadas mais ricas da sociedade espalham mentiras e usam termos como “cabides de emprego” ou “o Brasil está quebrado”.

😤 O mesmo acontece com as estatais que atuam em nosso estado, onde circulam mentiras para justificar a venda de empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul.

👷‍♂️ As estatais geram empregos, arrecadação e desenvolvimento. Quem defende sua venda são grupos que querem lucrar sobre as necessidades da população, ignorando as necessidades da sociedade.

Não caia em fake news, nem apoie a venda do que é dos gaúchos e dos brasileiros!

Privatização da Corsan pode causar desabastecimento em municípios

Privatização da Corsan pode causar desabastecimento em municípios

👀 Tentando se mostrar um político capaz de atender aos anseios das ricas elites do país e de fora, o governador Eduardo Leite aproveitou o Novo Marco Legal do Saneamento Básico, aprovado em 2020, para avançar com a privatização da Corsan e do saneamento dos gaúchos.

🧐 A nova lei prevê a continuidade dos contratos atualmente firmados, o que em tese garante que a Corsan cumpra até o final os acordos que tem com 300 dos 497 municípios do Rio Grande do Sul.

😮 No entanto, nos contratos firmados entre a Corsan e os municípios existem cláusulas específicas sobre a extinção dos serviços casos a empresa deixe de integrar a administração indireta do Estado, como é atualmente.

👎 Com isso, possíveis investidores enfrentarão insegurança e, mais importante, a população não terá a garantia de que seus serviços serão mantidos com qualidade, principalmente em áreas rurais ou cidades menores e com menos potencial de lucro.

✋ A Corsan é dos gaúchos e não pode ser vendida!

Países desenvolvidos reestatizaram mais de 1.400 serviços privatizados

Países desenvolvidos reestatizaram mais de 1.400 serviços privatizados

🌍 Diversos países têm percebido o que os brasileiros há muito sentem na pele: as privatizações não funcionam, pois encarecem e reduzem a qualidade dos serviços, atrapalhando o desenvolvimento.

✔ Enquanto governos que só têm compromisso com os mais ricos, como o de Eduardo Leite, traçaram como meta privatizar o máximo possível de empresas essenciais (como Corsan e a CEEE), países desenvolvidos estão reestatizando, ou seja, revertendo a privatizações realizadas no passado.

🧐 Um levantamento feito pela ONG TNI (sediada na Holanda) mostra que, nos últimos 20 anos, 924 serviços foram reestatizados e outros 484 novos serviços estatais foram criados, em 58 países, especialmente nos mais ricos e desenvolvidos, como Alemanha, França, Inglaterra, Noruega e até nos Estados Unidos.

🤔 Então, por que os governos de Eduardo Leite e de Jair Bolsonaro não seguem o mesmo caminho que os países mais desenvolvidos?

✋ Não devemos ir na contramão do mudo moderno e repetir privatizações fadadas ao fracasso. Devemos olhar para o futuro e impedir que eles vendam o que é dos gaúchos!

Enquanto população perde, bancos lucrarão com privatização da Eletrobras

“O que é o crime de assaltar um banco comparado com o crime de fundá-lo?”. A famosa frase do poeta e dramaturgo alemão Bertold Brecht segue atual no Brasil de hoje, com sua população cada vez mais empobrecida enquanto alguns poucos banqueiros e empresários lucram como nunca.

Em momentos de crise, como os que vivemos, se torna ainda mais cruel a sanha das chamadas “elites” e dos donos do dinheiro pela rapina dos recursos que deveriam beneficiar a todos. É o que podemos observar em torno ao processo de privatização do patrimônio de nossas estatais, como ocorre no caso da Eletrobras.

De acordo com declarações do Ministério da Economia, o Governo Federal pretende começar o processo de privatização da Eletrobras no primeiro trimestre de 2022, buscando conclui-lo até o fim do mesmo ano.

Como a transação pode ser uma das maiores movimentações financeiras envolvendo empresas estatais, já houve ofertas de 14 bancos que desejam coordenar as operações.

Se a venda da Eletrobras vai significar mais um golpe na vida da população e na capacidade do Estado fomentar o desenvolvimento, ela também é uma grande oportunidade de negócios para os que desejam se apropriar dos recursos públicos.

Afinal, cabem algumas perguntas: “Qual o interesse dos bancos além do dinheiro?”, “o que os bancos privados já fizeram de bom para os brasileiros?”.

E também cabe uma questão muito relevante: “Se há tantos bancos querendo participar do negócio, isso não compra que a Eletrobras é extremamente valiosa?”

A resposta para esta pergunta está contida na própria pergunta. Se ela não fosse valiosa, não haveria ninguém interessado. Ao mesmo tempo, esse é um dos principais motivos para que ela não seja vendida.

Falou em dinheiro, bancos crescem os olhos

Em comunicado emitido no final de outubro, a Eletrobras declarou que a operação está “em fase de seleção do sindicato de bancos que ficará responsável pela estruturação da operação de follow on e de distribuição do volume de ações a ser emitido pela companhia”.

Com a previsão de que a operação pode chegar a movimentar cerca de R$ 103 bilhões, as expectativas de ganhos para intermediários também são grandes, como no caso dos bancos.

Após a divulgação do processo de privatização por parte do Governo Federal, os olhos dos 14 bancos cresceram. Querem coordenar as operações – obviamente, cobrando alto por isso.

Para a população, a conta

Com a privatização da Eletrobras, o governo de Jair Bolsonaro está dilapidando um importante patrimônio da população, o que se comprova pelos resultados financeiros e ambientais obtidos pela empresa nos últimos anos.

Segundo o Relatório Anual 2020 da empresa, entre 2018 e 2020 a Eletrobras gerou cerca de R$ 30 bilhões de lucro. Apenas em 2020, a estatal investiu R$ 472 milhões em tecnologia e inovação, conduzindo mais de cem projetos de pesquisa.

A Eletrobras assumiu o compromisso de compensar 100% suas emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), e passou a prever bônus na remuneração de seus dirigentes a partir de metas ambientais. Em 2020, foi habilitada a emitir “green bonds”, os chamados títulos verdes, para financiar projetos de energia eólica e solar.

A Eletrobras controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7% e geram um prejuízo de mais de R$ 500 bilhões para os brasileiros.

Obviamente, os bancos não estão nem um pouco preocupados com isso, afinal, querem apenas engordar ainda mais seus gordos lucros, que continuam batendo recorde a cada ano, enquanto a população brasileira vem sofrendo com aumento da fome, da miséria e do desemprego recorde.

O Brasil de Bolsonaro é um país só para os ricos. E o desejo dos bancos em acelerar a privatização da Eletrobras é mais uma prova disso.

Fonte: SEINTEC-RS

Estatais são fundamentais para progresso do RS e do Brasil

Estatais são fundamentais para progresso do RS e do Brasil

😤 Ignorando as funções sociais, os milhares de empregos gerados e o importante papel que as empresas estatais desempenham na economia, o governo gaúcho e o Governo Federal estabeleceram como meta entregar o patrimônio público para setores das elites ricas do país e do exterior.

💪  Além de prestar serviços melhores e mais baratos que os oferecidos pela iniciativa privada, as empresas estatais também contribuem decisivamente para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul e do Brasil.

🧐 A atuação de uma empresa privada foca na busca prioritária do lucro, o que acarreta redução da qualidade e tarifas mais caras. É isso que acontecerá se as empresas públicas forem privatizadas.

Mas áreas rurais ou regiões consideradas menos lucrativas não terão atendimento garantido, assim como programas sociais serão extintos. 

👷‍♂️ No caso de privatizações para empresas estrangeiras, há ainda o risco de desindustrialização de nosso estado, uma vez que componentes e insumos antes produzidos e comprados aqui certamente passariam a ser importados de países como a China, por exemplo.

✋ Precisamos defender nossas estatais, a economia e os empregos dos gaúchos. Por isso, não podemos deixar que vendam o que é do povo!

Eletrobras é do povo e não pode ser vendida

Eletrobras é do povo e não pode ser vendida

⚡ A Eletrobras é uma das mais importantes empresas estatais do nosso país, mas o governo quer vendê-la para que empresários lucrem às custas do povo brasileiro.

💪 Ela tem um gigantesco patrimônio, construído à base de investimentos públicos. São cerca de 65 mil quilômetros em linhas de transmissão, 48 usinas hidrelétricas, 112 termelétricas, 70 eólicas e 2 termonucleares

🕤 A empresa também pode atuar socialmente e ajudar no desenvolvimento e no combate às desigualdades: entre 2003 e 2015, o programa Luz para Todos mudou a vida de 15,6 milhões de brasileiros que antes não tinham acesso à energia.   

🤯 Mas tudo isso pode ser perdido se ela for privatizada. Apagões, tarifas mais caras e redução da qualidade serão alguns dos impactos mais imediatos.

✋ Isso não pode acontecer!

🇧🇷 A Eletrobras pertence ao povo brasileiro e gaúcho, não pode ser vendida!

Privatização da Corsan: um processo permeado por mentiras

Por que políticos mentem tanto?

Vejamos o caso do atual governador do Rio Grade do Sul, Eduardo Leite: durante sua campanha eleitoral, em 2018, ele prometeu explicitamente que não privatizaria a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e outras empresas estatais.

Esse discurso foi um dos elementos fundamentais para garantir sua vitória.

Mas depois de eleito, ele rapidamente jogou fora suas promessas e adotou uma série de outras mentiras para justificar uma medida tão prejudicial à população.

De olho na presidência, Leite rifa os gaúchos

O governador Eduardo Leite não esconde de ninguém sua pretensão de ser candidato à presidência em 2022.

Para isso, ignora suas promessas eleitorais e também os interesses do povo gaúcho.

Com as privatizações das estatais gaúchas, Leite quer demonstrar ao mercado financeiro e às camadas mais ricas da sociedade que ele está disposto a tomar medidas que, embora prejudiquem a população, servirão aos interesses das ‘elites’ do Brasil e do exterior.

A mentira da falta de dinheiro

Para justificar sua mudança de posição, Leite difunde mentiras em relação à Corsan, dizendo que ela dá prejuízos.

Só que, na verdade, ela é uma empresa eficiente, lucrativa e importante para o Rio Grande do Sul. Desde 2010, a companhia teve um lucro de cerca de R$ 11 bilhões.

Há outros fatos que demonstram que haveria dinheiro mais do que suficiente para investir na Corsan, bastando apenas vontade do Governo Estadual.

Em 2020, Leite anunciou uma Parceria Público Privada (PPP) para atuar no saneamento da região metropolitana de Porto Alegre, dizendo que com isso poderia atrair mais de R$ 1 bilhão para o setor. Mas agora ele diz que a Corsan não consegue atrair investimentos?

Além disso, no final de 2018 a Corsan ganhou um Recurso Extraordinário no STF, garantindo à estatal a restituição de tributos federais pagos desde 1991. Com isso, a União passa a dever bilhões de reais à Corsan. Se ela for privatizada, esses recursos seriam entregues de bandeja para os futuros compradores.

Outra questão importante é o sucateamento proposital que a empresa tem sofrido por parte da gestão estadual, num artifício típico de gestores que buscam preparar o terreno para privatizações impopulares.

Para viabilizar a PPP citada, por exemplo, as últimas duas administrações estaduais deixaram de utilizar recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no saneamento básico.

Aplicaram a velha tática do “sucatear para privatizar”. Deixaram de investir o que deveriam na Corsan para depois dizer que ela não funciona bem. Eduardo Leite aplica a mesma cartilha.

Mais pobres e cidades menores serão prejudicados

Outra questão que Eduardo Leite oculta ao defender a privatização da Corsan é que, com isso, municípios com população menor e regiões mais pobres serão afetados por uma empresa que passará a atuar apenas com base na busca incessante pelo lucro, sem compromisso com a sociedade.

Na maioria das cidades do Rio Grande do Sul a conta é deficitária. São cidades que não dão “lucro”. Esse “prejuízo” é coberto por aquilo que é chamado de “subsídio cruzado”: o lucro obtido nos grandes municípios paga o investimento nos pequenos.

Se ela for privatizada, é óbvio que os novos donos focarão na busca pelo lucro, sem garantia alguma de que regiões deficitárias serão atendidas em seus direitos mais básicos.

O setor de saneamento e abastecimento é estratégico para qualquer país, tanto é que muitas nações desenvolvidas estão reestatizando serviços e empresas estatais que foram entregues à iniciativa privada no passado.

Nos últimos 20 anos, cerca de 1600 cidades de 45 países, entre elas Paris e Berlim, remunicipalizaram serviços porque os preços subiram muito e a qualidade caiu.

O povo do Rio Grande do Sul não pode ser prejudicado só porque o governador tem suas ambições políticas. Não podemos deixar que, para isso, ele venda o que é dos gaúchos!

Fonte: SEINTEC-RS

Eduardo Leite lava as mãos para beneficiar os mais ricos

Eduardo Leite lava as mãos para beneficiar os mais ricos

🤥 Quebrando mais uma promessa eleitoral, o governador Eduardo Leite segue com seus planos de vender a Corsan e o saneamento no nosso estado. A Assembleia Legislativa já aprovou a privatização e os servidores da empresa declararam estado de greve.

😒 Uma das justificativas seria o Novo Marco Legal do Saneamento Básico, aprovado em nível federal em 2020 e que traz metas para acesso a água potável e saneamento básico. Só que o governador não quer cumprir com essas metas.

😠 Leite não pode lavar as mãos!

⚠ O mesmo marco legal também garante a continuidade dos contratos que estão vigentes: ou seja, a Corsan precisa cumprir até o final os contratos que têm com 300 dos 497 municípios do Rio Grande do Sul.

👀 Com a privatização, como ficariam atendimento, preços cobrados e os cerca de 6 mil empregos gerados pela estatal?  

Precisamos que a Corsan permaneça pública, que atenda mais municípios, focando na qualidade de vida das pessoas. Vender o que é dos gaúchos é condenar uma parte da população a um processo de exclusão! Isso precisa ser barrado!

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

🚇 66% da população economicamente ativa brasileira depende dos transportes públicos, onde 22% passam ao menos duas horas de seu dia.

🚗 Na comparação com outros países, o Brasil investe pouco nos transportes ferroviários, priorizando rodovias, carros e caminhões.

🌍 O transporte ferroviário ajuda a melhorar o caos urbano, é mais barato que outras opções e ainda causa menos danos ao meio ambiente.

😤 A situação da população pode ser agravada com as privatizações, como pode ocorrer se a Transurb for privatizada. É o Brasil indo na contramão do mundo e de um futuro mais sustentável.

Por isso, não podemos deixar que vendam o transporte que é dos gaúchos!

Privatização da Eletrobras pode acabar com Usina do Gasômetro, símbolo de Porto Alegre

Entre os diversos prejuízos à população que a privatização da Eletrobras causaria estão também os impactos culturais e simbólicos.

O que acontecerá, por exemplo, com a Usina do Gasômetro, um dos símbolos de Porto Alegre?

Ícone arquitetônico da capital gaúcha, é um de seus principais pontos turísticos.

A Usina foi transformada em centro cultural nos anos 1990 e é um ponto de encontro às margens do Rio Guaíba.

As instalações pertencem à Eletrobras, estatal federal que está na mira do governo Bolsonaro. Caso a empresa seja privatizada, os compradores não terão nenhum compromisso com a cidadania e com a cultura, apenas com o lucro.

Então, quem garante que a Usina do Gasômetro será preservada?

A Usina

O futuro da Usina do Gasômetro preocupa inclusive a prefeitura de Porto Alegre, que encaminhou um ofício ao presidente Bolsonaro solicitando sua doação à capital gaúcha.

Segundo a prefeitura, a privatização de um dos maiores símbolos da cidade prejudicaria o turismo e também o projeto do parque urbano Orla da Guaíba, que já está em andamento.

Além da bela vista para o Rio Guaíba, o centro cultural promoveu, durante anos, uma intensa agenda de atividades culturais para adultos e crianças, como peças de teatro, música, dança, debates, carnaval e eventos literários.

Atualmente, no entanto, a Usina está fechada para obras que iniciaram em 2017 (a previsão de conclusão é 2022, com a reabertura do centro cultural).

Curiosidade: apesar de ter esse nome, a Usina do Gasômetro, na verdade, produzia energia à base da queima de carvão mineral, mas estava próxima de outra usina, essa sim movida a gás.

O prédio foi projetado na Inglaterra e inaugurado em 1928. Foi uma das primeiras construções de concreto armado do Rio Grande do Sul.

A Usina operou até 1974, e correu risco de ser demolida para a construção da avenida que hoje está ao lado do Guaíba. A população reagiu e se manifestou contrariamente, demonstrando que os gaúchos têm apreço pelo local.

Riscos da privatização

Segundo o Ministério da Economia, o Governo Federal pretende começar o processo de privatização da Eletrobras no primeiro trimestre de 2022, e tentará conclui-lo até o fim do mesmo ano.

A Eletrobras controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7%.

A Eletrobras distribuiu, nos últimos 20 anos, cerca de R$ 20 bilhões de reais em dividendos para a União, demonstrando potencial de investimento em obras estruturantes que aumentariam a capacidade brasileira de geração e transmissão de energia e impediriam futuras crises e apagões. Mas Bolsonaro prefere entregá-la para empresários e vez de mantê-la atuante em um setor estratégico (como outros países desenvolvidos estão fazendo).

Coisa de quem não tem compromisso com o Brasil e nem com o povo brasileiro.

Fonte: SEINTEC-RS