Posts

Eduardo Leite lava as mãos para beneficiar os mais ricos

Eduardo Leite lava as mãos para beneficiar os mais ricos

🤥 Quebrando mais uma promessa eleitoral, o governador Eduardo Leite segue com seus planos de vender a Corsan e o saneamento no nosso estado. A Assembleia Legislativa já aprovou a privatização e os servidores da empresa declararam estado de greve.

😒 Uma das justificativas seria o Novo Marco Legal do Saneamento Básico, aprovado em nível federal em 2020 e que traz metas para acesso a água potável e saneamento básico. Só que o governador não quer cumprir com essas metas.

😠 Leite não pode lavar as mãos!

⚠ O mesmo marco legal também garante a continuidade dos contratos que estão vigentes: ou seja, a Corsan precisa cumprir até o final os contratos que têm com 300 dos 497 municípios do Rio Grande do Sul.

👀 Com a privatização, como ficariam atendimento, preços cobrados e os cerca de 6 mil empregos gerados pela estatal?  

Precisamos que a Corsan permaneça pública, que atenda mais municípios, focando na qualidade de vida das pessoas. Vender o que é dos gaúchos é condenar uma parte da população a um processo de exclusão! Isso precisa ser barrado!

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

🚇 66% da população economicamente ativa brasileira depende dos transportes públicos, onde 22% passam ao menos duas horas de seu dia.

🚗 Na comparação com outros países, o Brasil investe pouco nos transportes ferroviários, priorizando rodovias, carros e caminhões.

🌍 O transporte ferroviário ajuda a melhorar o caos urbano, é mais barato que outras opções e ainda causa menos danos ao meio ambiente.

😤 A situação da população pode ser agravada com as privatizações, como pode ocorrer se a Transurb for privatizada. É o Brasil indo na contramão do mundo e de um futuro mais sustentável.

Por isso, não podemos deixar que vendam o transporte que é dos gaúchos!

Privatização da Eletrobras pode acabar com Usina do Gasômetro, símbolo de Porto Alegre

Entre os diversos prejuízos à população que a privatização da Eletrobras causaria estão também os impactos culturais e simbólicos.

O que acontecerá, por exemplo, com a Usina do Gasômetro, um dos símbolos de Porto Alegre?

Ícone arquitetônico da capital gaúcha, é um de seus principais pontos turísticos.

A Usina foi transformada em centro cultural nos anos 1990 e é um ponto de encontro às margens do Rio Guaíba.

As instalações pertencem à Eletrobras, estatal federal que está na mira do governo Bolsonaro. Caso a empresa seja privatizada, os compradores não terão nenhum compromisso com a cidadania e com a cultura, apenas com o lucro.

Então, quem garante que a Usina do Gasômetro será preservada?

A Usina

O futuro da Usina do Gasômetro preocupa inclusive a prefeitura de Porto Alegre, que encaminhou um ofício ao presidente Bolsonaro solicitando sua doação à capital gaúcha.

Segundo a prefeitura, a privatização de um dos maiores símbolos da cidade prejudicaria o turismo e também o projeto do parque urbano Orla da Guaíba, que já está em andamento.

Além da bela vista para o Rio Guaíba, o centro cultural promoveu, durante anos, uma intensa agenda de atividades culturais para adultos e crianças, como peças de teatro, música, dança, debates, carnaval e eventos literários.

Atualmente, no entanto, a Usina está fechada para obras que iniciaram em 2017 (a previsão de conclusão é 2022, com a reabertura do centro cultural).

Curiosidade: apesar de ter esse nome, a Usina do Gasômetro, na verdade, produzia energia à base da queima de carvão mineral, mas estava próxima de outra usina, essa sim movida a gás.

O prédio foi projetado na Inglaterra e inaugurado em 1928. Foi uma das primeiras construções de concreto armado do Rio Grande do Sul.

A Usina operou até 1974, e correu risco de ser demolida para a construção da avenida que hoje está ao lado do Guaíba. A população reagiu e se manifestou contrariamente, demonstrando que os gaúchos têm apreço pelo local.

Riscos da privatização

Segundo o Ministério da Economia, o Governo Federal pretende começar o processo de privatização da Eletrobras no primeiro trimestre de 2022, e tentará conclui-lo até o fim do mesmo ano.

A Eletrobras controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7%.

A Eletrobras distribuiu, nos últimos 20 anos, cerca de R$ 20 bilhões de reais em dividendos para a União, demonstrando potencial de investimento em obras estruturantes que aumentariam a capacidade brasileira de geração e transmissão de energia e impediriam futuras crises e apagões. Mas Bolsonaro prefere entregá-la para empresários e vez de mantê-la atuante em um setor estratégico (como outros países desenvolvidos estão fazendo).

Coisa de quem não tem compromisso com o Brasil e nem com o povo brasileiro.

Fonte: SEINTEC-RS

Vender a Eletrobras pode desabrigar milhares de gaúchos

Vender a Eletrobras pode desabrigar milhares de gaúchos

😭 Se a CGT Eletrosul (subsidiária da Eletrobras) for vendida, cerca de 1,5 mil gaúchos do município de Candiota poderão ficar desabrigados.

Isso porque mais de 400 famílias moram na área pertencente à estatal, nos arredores da Usina de Candiota.

Com a privatização, elas ficarão na rua, e seus imóveis e terrenos poderão ser leiloados.

😫 Para piorar, os moradores sequer foram avisados formalmente sobre o edital de venda. Alguns só souberam do fato por aplicativo de mensagens.

Muitas famílias vivem há mais de 60 anos nessa comunidade, e construíram suas histórias de vida lá.

😨 Agora, sofrem com o risco de perder suas moradas a qualquer momento, em meio à pandemia de Covid-19 – afinal, os novos donos da Eletrobras terão pressa em começar a lucrar, depois da privatização.

🚨 A venda de estatais não é uma simples transação comercial. Ela só beneficia quem vai ganhar dinheiro com o processo. Para o povo, ficam os prejuízos, como tarifas mais caras, serviços de má qualidade e o desamparo.

É por isso que não podemos deixar que vendam o que é dos gaúchos.

#eletrobras #eletrobraspública

As elites egoístas plantam a mentira de que estatais seriam “cabides de emprego”

As elites egoístas plantam a mentira de que estatais seriam “cabides de emprego”

👀 Para enganar a população e conseguir apoio à entrega do patrimônio público para as elites gananciosas, são usados todos os tipos de estratégia, principalmente mentiras.

😤 Uma das enganações é dizer que as estatais são “cabides de emprego”. Com isso, eles escondem que para alguém construir carreira em uma estatal precisa passar por um concurso público concorridíssimo, que requer estudo e conhecimento e no qual nenhum apadrinhamento faria diferença. Trata-se de selecionar os mais capacitados para funções tão importantes.

✋ Em nosso estado, empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul, que têm função social importante e geram muitos empregos, estão sob risco de privatização.

Não caia em fake news! E não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

É piada? Para Bolsonaro, solução para crise energética é não usar energia

“Até faço um pedido para você agora. Se tem uma luz acesa a mais na tua casa, por favor apague. Nós estamos vivendo a maior crise hidrológica dos últimos 90 anos. Se você puder apagar uma luz na tua casa, se puder desligar o teu ar-condicionado. Se não puder — está com 20 graus? — passa para 24 graus, gasta menos energia”.

Quem propôs essas ‘soluções’ para a crise energética foi o presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma de suas lives.

Sem rumo e sem propostas para resolver qualquer problema do país, Bolsonaro tenta transferir para os brasileiros a responsabilidade de uma situação que foi causada pela incompetência e pela negligência do próprio Governo Federal para cuidar de setores e necessidades estratégicas da população, como é o caso da energia elétrica.


Crise é responsabilidade de Bolsonaro e sua turma

É consenso entre os especialistas e pesquisadores da área que a crise energética é responsabilidade do Governo Federal, que não elaborou nenhum tipo de plano ou estratégia para passar pelo longo período sem chuvas que algumas regiões têm enfrentado nos últimos meses.

“Bolsonaro não controla as chuvas” é uma frase que alguns apoiadores tentam usar para tirar do presidente a responsabilidade.

Mas a verdade é que o próprio presidente chegou a interferir até nos órgãos que ajudam a fazer o mapeamento dos recursos hídricos, de alterações climáticas e de queimadas e desmatamento, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão estritamente técnico, vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, principalmente depois da revelação de que houve recorde de queimadas e desmatamento em sua gestão.

Ou seja, por decisão política do presidente (desesperado para esconder os dados que demonstram os desastres de seu governo) o Brasil está ficando “cego”, perdendo cada vez mais a capacidade de criar estratégias para enfrentar problemas decorrentes de questões climáticas.

Com a estiagem, a capacidade dos reservatórios de usinas hidrelétricas diminuiu bastante, atingindo o nível mais baixo dos últimos 91 anos no Sudeste e no Centro-Oeste. Mas o governo não pode dizer que “foi pego de surpresa”.

Enquanto sugeria que os consumidores apaguem uma luz como solução para problemas dessa magnitude em um país continental, Bolsonaro referendava medidas que caminham na direção do racionamento e da penalização dos consumidores, que pagam tarifas cada vez mais altas.

Com a falta de ações efetivas e bem planejadas, algumas regiões estão sob risco de apagões que podem piorar ainda mais a vida da população brasileira, já sufocada pela crise econômica (quem vem se arrastando há anos) e até pela volta da fome.

Em estados como Roraima e Amapá, por exemplo, já há um quadro preocupante, inclusive com apagões intermitentes já tendo acontecido. Rio de Janeiro e Minas Gerais também sofreram cortes de energia de muitas horas no mês de setembro.

Aumento das tarifas e privatização

As únicas medidas tomadas por Bolsonaro e por órgãos como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acabam repassando para a população a responsabilidade e os custos da crise causada pela incapacidade do Governo Federal.

Entre julho de 2020 e julho de 2021 a tarifa média de energia subiu 20%. Até a chamada “bandeira vermelha” (uma sobretaxa nas contas de luz) vem recebendo aumentos constantes.

Além disso, o cenário, que já é caótico, pode piorar ainda mais caso a o governo consiga privatizar a Eletrobras.

A estatal controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7% e gerar um prejuízo de mais de R$ 500 bilhões aos brasileiros em alguns anos.

Casos de privatizações de empresas estaduais de energia elétrica, como os ocorridos em Goiás, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Amazonas, Piauí e Alagoas demonstraram como a venda das estatais trouxe consigo tarifas abusivas, serviços terceirizados de péssima qualidade e o sucateamento da rede de distribuição, o que também piorou os serviços oferecidos.

Além disso, a Eletrobras tem 47 barragens hídricas que, se forem privatizadas, colocarão em risco o meio ambiente e até mesmo poderão causar novos desastres, como os ocorridos em Brumadinho e Mariana, que foram resultado da gestão privatizada da Vale.

O Brasil não merece isso. Precisamos de um governo que respeite a ciência, a autonomia dos órgãos e dos institutos de pesquisa, para que nosso país seja capaz de planejar com inteligência o uso dos recursos naturais e ações para serem adotadas em caso de crises. Ou seja, que faça tudo diferente do que o governo Bolsonaro vem fazendo.

Fonte: SEINTEC-RS

Ao privatizar energia, Estado abre mão de recursos estratégicos para o futuro

Ao privatizar energia, Estado abre mão de recursos estratégicos para o futuro

🤑 O Governos Federal e o do Rio Grande do Sul coincidem em suas estratégias de privatizar as empresas de energia – Eletrobras e CEE-GT.

🌍 Além do aumento nas tarifas (que já estão nas alturas), essas privatizações vão na contramão do que acontece no mundo, uma vez que a energia elétrica tem papel estratégico para qualquer país e governos de países desenvolvidos estão reestatizando empresas que foram privatizadas no passado.

💥 Nem o Brasil e nem o Rio Grande do Sul podem abrir mão de recursos tão estratégicos, porque isso comprometeria a nossa soberania e prejudicaria profundamente a nossa população.

✨ Em 2019, a Eletrobras e as estatais estaduais Copel, Cemig, CEEE-GT e Celesc foram responsáveis por 54% da hidroeletricidade consumida no país. Sem elas, os brasileiros pagariam mais caro e teriam serviços de pior qualidade.

Eles não podem entregar o patrimônio do povo.

Eles não podem vender o que é dos gaúchos!

Você sabe quem são os verdadeiros beneficiados com as privatizações?

Você sabe quem são os verdadeiros beneficiados com as privatizações?

🤑 Acionistas, investidores, multinacionais, empresários, grupos econômicos e alguns políticos. Esses são os maiores beneficiários da privatização das estatais, enquanto a maioria da população é prejudicada.

👎 No caso do Rio Grande do Sul, empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul estão nas miras daqueles que desejam entregar o patrimônio dos gaúchos e dos brasileiros para as mãos das elites ricas (daqui e do exterior).

👀 As estatais cumprem uma função social, destinando grande parte de seu lucro para saúde, educação, meio ambiente e muitas outras áreas, mas se forem privatizadas, servirão apenas para enriquecer seus donos ou acionistas.

✔As estatais gaúchas geram empregos e contribuem para controle de preços, desenvolvimento de tecnologias e gerem recursos estratégicos para o estado e para o país.

Por isso, não podemos deixar que eles vendam o que é dos gaúchos!

Plebiscito popular: cerca de 95% dos gaúchos são contra as privatizações

Realizado em formato híbrido, tanto pela internet quanto presencialmente em 91 municípios gaúchos, o Plebiscito Popular sobre as Privatizações no Rio Grande do Sul comprovou a rejeição inquestionável da população de nosso estado aos processos de privatização promovidos pelo governo estadual.

Patrimônio dos gaúchos, empresas lucrativas e fundamentais socialmente como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul estão na mira do governador Eduardo Leite e do presidente Jair Bolsonaro, colocadas à venda em processos de privatização apressados, nebulosos e que não consultam a população.

Pois então, se o governo não ouve que é realmente dono desse patrimônio (a população), movimentos sindicais e populares decidiram fazê-lo, por meio do plebiscito, realizado entre 14 e 26 de outubro e que contou com a participação de 90.265 pessoas. 

Os resultados não deixam margem para dúvidas: os gaúchos não querem seu patrimônio privatizado.

Resultados do plebiscito

O plebiscito popular tinha três questões sobre a venda do patrimônio público, sendo que em todas houve ao menos 95% de rejeição à venda das empresas estatais.

A questão 1 dizia: “Energia elétrica, água, saneamento, saúde, transporte coletivo, correios são serviços públicos essenciais ao povo. Você concorda com a entrega destes serviços para empresas privadas?’.

Do total de votos, 95,23% dos participantes votaram NÃO.

A segunda questão perguntava: “Banrisul, Corsan, Procergs, CRM, Sulgas, Eletrobras, Banco do Brasil, Petrobras, Caixa, Trensurb e Carris são patrimônio público e prestam serviços essenciais ao nosso desenvolvimento. Você concorda que este patrimônio seja entregue para empresas privadas?”. O resultado foi de 95,83% de votos na opção NÃO.

Por fim, na última questão o plebiscito consultava: “Você concorda que o governador entregue o patrimônio público sem ouvir a população?”. Nesse caso, a maioria foi ainda mais esmagadora: 97,15% do total votou contra a entrega do patrimônio estatal.

Governo tem medo de levar privatizações a plebiscito

Não por coincidência, o governador Eduardo Leite e sua base de deputados estaduais se esforçou para alterar uma lei que obrigava o estado do Rio Grande do Sul a realizar um plebiscito para poder privatizar estatais como Corsan, Banrisul e Procergs.

Em junho de 2021, foi aprovada a PEC 280/19, com 35 votos favoráveis e 18 contrários, que alterou a Constituição do Rio Grande do Sul para retirar essa exigência.

O governador sabe que a maioria dos gaúchos seria contra as privatizações, inclusive porque ele ganhou esse voto de confiança durante a campanha eleitoral ao assumir o compromisso de não vender as estatais.

Depois de eleito, mudou de posição e, junto de deputados de sua base de apoio, resolveu ignorar a vontade popular, aplicando um projeto acelerando de privatizações a preço de banana.

Os resultados do plebiscito popular só mostra a verdade que Eduardo Leite quer esconder: o povo não quer que ele venda o que é dos gaúchos!

Fonte: SEINTEC-RS

Governando para ricos, Eduardo Leite quer vender o que é dos gaúchos

Governando para ricos, Eduardo Leite quer vender o que é dos gaúchos

🙏Durante a campanha eleitoral, o governador Eduardo Leite prometeu explicitamente que não privatizaria a Corsan e o saneamento no Rio Grande do Sul, e também outras estatais.

🙄 Agora, de olho em outros objetivos na carreira política, Leite descumpre a promessa, buscando se apresentar como um político que vai atender aos interesses das elites e das camadas mais ricas da sociedade.

😤 A privatização da Corsan foi encaminhada aos deputados em regime de urgência e sem discussão com a sociedade, e é sustentada por dados sem transparência e, muitas vezes, maquiados.

⚠O que ele esconde é que tarifas irão aumentar com as privatizações.

Para melhorar o saneamento é preciso investir em uma Corsan pública que atenda mais municípios e pessoas, e não vender o que é dos gaúchos só para buscar ganhos políticos ou pessoais!