Posts

Convênio com a Unisinos oferece desconto nos cursos da instituição

Associados ao SINTEC-RS contam com descontos de até 10% nos cursos de graduação, pós-graduação, idiomas, extensão e intensivos da faculdade Unisinos. Além dos cursos de Mestrado e Doutorado, associados ao sindicato agora podem se beneficiar do desconto para os cursos de Graduação Presencial.

A ativação do benefício precisa ser realizada semestralmente. Confira o cronograma de lançamento de descontos para 2022/1: 

Ativações e matrículas realizadas até 11/01/2022 – recebimento em todas as parcelas; 
De 12/01 até 18/01 – recebimento a partir da 2ª parcela (fevereiro); 
De 19/01 até 15/02 – recebimento a partir da 3ª parcela (março);
De 16/02 até 15/03 – recebimento a partir da 4ª parcela (abril); 
De 16/03 até 12/04 – recebimento a partir da 5ª parcela (maio); 
De 13/04 até 15/05/2022 – recebimento na 6ª parcela (junho). 

A concessão do desconto é de 7,5% na matrícula em até 12 créditos e 10% na matrícula em mais de 12 créditos. O valor do benefício pode superar a contribuição ao sindicato!

O SINTEC-RS também oferece uma série de outros convênios e vantagens para seus associados, com desconto em escolas de idiomas, cinemas, academias, farmácias, faculdades, além de plano previdenciário e assessoria jurídica com mais de 30 anos de experiência. Todos estes benefícios garantem mais facilidade e economia aos associados!

Sindicalize-se, fortaleça a luta da sua categoria e ainda aproveite todos as vantagens que o SINTEC-RS oferece para você.

A privatização da Trensurb é uma tragédia anunciada

A Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A (Trensurb) é uma empresa federal que está na mira das privatizações do governo Bolsonaro.

Sua primeira linha foi inaugurada em 1985. Hoje, as linhas da Trensurb possuem 43,8 quilômetros de extensão, atendendo seis municípios da Região Metropolitana da capital gaúcha.

Apesar da empresa possuir controle Federal, o poder de concessão da companhia também conta com a participação do estado do Rio Grande do Sul na decisão sobre desestatização ou sobre qual será o modelo de concessão adotado.

Com a intenção de enganar a população para conseguir apoio à privatização, o governo mente para que as pessoas acreditem que entregar empresas estatais para a iniciativa privada vai aumentar a eficiência e a produtividade.

Esse discurso da privatização esconde um interesse político que privilegia apoiadores do mercado ao projeto de entrega de empresas públicas. A população sai perdendo, mas os envolvidos nessa narrativa e nesses negócios só ganham.   

O que não faltam são exemplos de negligência e ineficiência de empresas privadas na gestão de serviços públicos para desmascarar essa fachada que serve a interesses de poucos.

O exemplo na Argentina de uma tragédia anunciada

Em 1991 a Argentina, durante o governo de Carlos Menen, começou a privatização do sistema ferroviário. Mas foi preciso acontecer uma tragédia para que, 20 anos depois, o país começasse a reestatizar o sistema. 

Em 2008, um relatório do órgão argentino, correspondente à Procuradoria da União brasileira, já apontava que a Trens de Buenos Aires (TBA) – uma das operadoras privadas do sistema ferroviário da capital argentina – não investia nem dava a devida manutenção em seus trens e infraestrutura.

Entre outras falhas, foram identificadas falta de freios de emergência e inoperância dos freios de mão em alguns trens da companhia. Uma tragédia anunciada, mas não evitou o acidente quatro anos depois.

Em fevereiro de 2012 um trem urbano, no centro de Buenos Aires, descarrilhou e matou 50 pessoas, deixando mais de 700 feridas.

No ano seguinte o governo argentino rescindiu os contratos de concessão de ferrovias administradas pelas duas empresas privadas no país: a brasileira América Latina Logística (ALL) e a argentina Tren de La Costa Sociedad Anonima.

Uma série de irregularidades foram encontradas em uma auditoria, entre elas multas que superavam em 30% as garantias do contrato, descumprimento de programa de investimentos, abandono de linhas, suspensão de vias e transferência de ativos sem autorização. Tudo para garantir o lucro dos acionistas da empresa.

A justiça argentina condenou em 2015 o responsável pela TBA, Claudio Cirigliano, a passar nove anos na prisão pelo crime de “administração fraudulenta com dano culposo”. Já o ex-secretário da área Juan Pablo Schiavi foi condenado a oito anos, e seu antecessor, Ricardo Jaime, a seis.

Privatização não dá bons exemplos

O exemplo argentino serve de alerta e lição para o Brasil. Privatizar nunca é melhor caminho. Abre espaço para que empresas lucrem tudo que puderem com um serviço público, sem cumprir com compromissos e obrigações.

Além disso, causa um prejuízo enorme ao patrimônio público, largado para se deteriorar enquanto maximiza os lucros de quem explora o serviço.

Antes de adotar o discurso da privatização, é necessário olhar não para as promessas, mas sim para a história e os prejuízos causados. Esses sim são enormes.

Fonte: SINTEC-RS