Posts

Reestatizar é uma tendência dos países desenvolvidos (mas o Brasil vai na contramão)

Em todo o mundo, a reestatização de empresas que cuidam de serviços essenciais e de recursos estratégicos é uma tendência que vem crescendo nos últimos anos.

As experiências com privatizações a partir dos anos 1990 deixaram um legado de insatisfação, prejuízos e insegurança, que ensinaram muitos países a reconhecer o erro e voltar atrás.

De acordo com uma pesquisa publicada pela Transnational Institute (TNI) – centro de estudos em democracia e sustentabilidade baseado na Holanda – pelo menos 1.408 serviços foram criados ou reestatizados no mundo nos últimos anos.

 Alemanha (4ª maior economia do planeta) puxa a fila, com 411 casos. Em seguida vem os Estados Unidos (que, erroneamente, as pessoas acreditam que seria um país de Estado mínimo), com 230 casos (principalmente em serviços de água e telecomunicações). A França (156 casos), a Espanha (119) e o Reino Unido (110 casos) também se destacam.

Isso significa que, diferentemente das fake news financiadas por setores das elites ricas no Brasil, a reestatização é coisa de país rico e que se preocupa com o bem-estar do próprio povo.

O movimento ganha força baseado nos resultados que ele tem apresentado, como melhora nas condições de trabalho, preços mais baixos e mais qualidade dos serviços.

Esses benefícios estão intimamente ligados. Trabalhadores com boas condições prestam melhor serviço e, com serviços mais eficientes, abaixam os custos (tarifas) para o consumidor.

Apesar das lições aprendidas mundo afora, elas são ignoradas no Brasil.

Na contramão do exemplo mundial

No Brasil a tendência é oposta. Desde o governo de Michel Temer, passando agora pelo governo de Jair Bolsonaro, a privatização de estatais está sempre no centro dos debates.

Os gaúchos e gaúchas, por exemplo, já viram a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-D) ser privatizada e, na esteira dela, a Companhia Riograndense de Saneamento Básico (Corsan) segue na mira do governo estadual.  

O governador Eduardo Leite, alinhado com essa política que beneficia apenas interesses privados e dos mais ricos, vem tentando acelerar a entrega de empresas fundamentais para o povo do Rio Grande do Sul.

Já o governo Federal colocou na mira a Eletrobras, estatal responsável por 30% do fornecimento de energia elétrica do país e 70% das redes de distribuição.

Água e eletricidade são setores considerados estratégicos para governos inteligentes. Já no Brasil, impera a vontade de entregar o patrimônio público para que os poucos envolvidos ganhem com isso.

Enquanto alguns farão uma verdadeira farra por intermediar esses negócios (lembremos dos inúmeros casos de enriquecimento de certos agentes políticos envolvidos nas privatizações dos anos 1990), para o restante da população sobrará tarifas mais caras, serviços piores, risco de apagão, falta de abastecimento, torneira vazia e exclusão.

Nos últimos anos o Brasil tem ido na contramão de todo o mundo civilizado em praticamente todos os assuntos. Agora, com a entrega de setores tão estratégicos, fica nítido a escolha que nossos governantes estão fazendo rumo a um abismo do qual termos muitas dificuldades para sair.

Fonte: SINTEC-RS

Vender as estatais gaúchas tornará o Rio Grande do Sul uma colônia de exploração

Vender as estatais gaúchas tornará o Rio Grande do Sul uma colônia de exploração

🧉 A Corsan, a Trensurb e a CGT Eletrosul (subsidiária da Eletrobras) são estratégicas para o Rio Grande do Sul e para o Brasil.

Elas atendem demandas essenciais da população (tratamento de esgoto, transporte público e energia elétrica) e são altamente lucrativas.

⚠ Por isso, desde que foram criadas, são fortemente combatidas pelo setor privado, que sempre desejou enriquecer às custas do povo, em vez de gerar benefícios sociais (como fazem as empresas públicas).

📣 Se elas forem privatizadas, os gaúchos receberão serviços caros, de má qualidade e que não estarão disponíveis para todas as classes sociais (afinal, tarifas mais baixas são programas estatais, e não privados).

👉 Nosso estado se tornará uma colônia de exploração do setor privado – e isso já começou, com a venda da CEEE-D.

✋ Precisamos defender nossas estatais, e não deixar que vendam o que é dos gaúchos e dos brasileiros!

Enquanto países desenvolvidos reestatizam, governo Leite quer privatizar a água dos gaúchos

A voracidade do mercado privado mira sempre naquilo que é essencial para maximizar seus lucros. E quando se trata de água e esgoto, o impacto que isso gera na vida das pessoas é ainda maior.

A Empresa Riograndense de Saneamento (Corsan), é mais uma estatal, que fornece serviços essenciais, na mira do governo Eduardo Leite.

Para agradar o mercado e se alinhar com a política adotada pelo governo de Jair Bolsonaro, que foca no desmonte das empresas públicas para entregá-las aos mais ricos, o governador do Rio Grande do Sul tem tentado agilizar o processo de entrega do controle da água dos gaúchos e gaúchas para o mercado privado.

Em vários países do mundo a privatização da água não resolveu nada, pelo contrário.

Reestatizar tem sido a solução para os problemas da privatização          

A mito de que privatizar melhora tudo não se apoia na realidade. Ainda mais quando se trata de serviços públicos essenciais, como a água.

Já que há uma omissão grande com relação as informações sobre os malefícios da privatização, talvez alguns dados que pouco circulam na imprensa possam ajudar a entender o que acontece no Brasil e no mundo com a privatização dos serviços de água e esgoto.

Você sabia que o Brasil é vice-líder em reestatização de água e saneamento no mundo, com 78 casos confirmados? São 77 municípios do Tocantins e mais Itu, no estado de São Paulo. Em primeiro lugar no ranking mundial está a França, com 106 casos, segundo balanço do Transnational Institute (TNI) que mapeou 267 casos no mundo, ocorridos a partir do ano 2000.

Tarifas altas, falta de transparência, evasão de divisas e valores altíssimos pagos aos empresários e acionistas estão entre os crimes cometidos por empresas privadas que assumiram a gestão da água em muitos países. 

O Brasil, em 2017, somava 245 dos 5.570 municípios com contratos de concessão de água e esgoto repassados para a iniciativa privada. 58% desses grupos atuantes no setor possuem fundos de investimento e instituições financeiras entre seus controladores, sendo que dois dos maiores – BRK Ambiental (ex-Odebrecht Ambiental) e Iguá Saneamento (ex-CAB, da Queiroz Galvão) são totalmente controlados por instituições financeiras.

Por isso, as privatizações atendem à busca incessante dessas instituições financeiras por lucros cada vez maiores, e não à necessidade de fornecimento de água de qualidade e serviço de tratamento de esgoto à população. 

A água é nossa!

Permitir que nossa água seja controlada por empresas privadas é entregar um bem que é de todos. Não faltam exemplos de que a transferência da gestão desse recurso natural, o mais importante do planeta, sirva para engordar os bolsos de acionistas e especuladores do mercado financeiro.

Se o governador Eduardo Leite realmente se preocupasse com nosso estado e seu povo, jamais daria continuidade a esse projeto de privatização.

Não deixe nossa água ser moeda para quem lava as mãos com dinheiro sobre a responsabilidade com a população.

Não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

Trensurb estatal é vantagem para o povo gaúcho

Trensurb estatal é vantagem para o povo gaúcho

💸 Segundo a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o tempo que os brasileiros gastam no trânsito gera um desperdício de mais de R$ 111 bilhões por ano.

Além disso, 7 milhões de pessoas morrem por doenças causadas pelo ar poluído, todos os anos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

👍 Por isso, o transporte público é um grande aliado para a qualidade de vida da população: reduz congestionamentos, ajuda a diminuir a poluição, e beneficia o meio ambiente, a economia e a sociedade.

A Trensurb, por exemplo, foi criada para reduzir o congestionamento saturado da rodovia BR-116, e ainda oferecer um deslocamento moderno, rápido, barato e democrático para o povo gaúcho.

🤗 Enquanto ela permanecer estatal, milhares de pessoas, de diferentes rendas, poderão circular diariamente pelos municípios atendidos a uma tarifa única.

✋ A Trensurb é nosso patrimônio. Não podemos deixar que vendam o que é dos gaúchos!

SINTEC-RS comemora 34 anos e lança e-book sobre conquistas do movimento sindical

Nesta quinta-feira, 23, o SINTEC-RS comemora 34 anos de história e de luta pela defesa e valorização dos Técnicos Industriais! Uma história que começou no dia 23 de setembro de 1987, com a assinatura da Carta Sindical. Desde então, o SINTEC-RS existe para lutar por cada trabalhador e trabalhadora que integra a categoria dos Técnicos Industriais, acumulando conquistas históricas – como a criação do Conselho Federal dos Técnicos Industriais.

O SINTEC-RS é resultado do entusiasmo e da dedicação, muitas vezes, anônima de colegas Técnicos Industriais que, ao longo do tempo, trabalharam para construir uma entidade profissional e consequente entidade sindical. E já são mais de três décadas atuando em prol da categoria.

Para celebrar a data, o sindicato está lançando o e-book gratuito Conquistas do Movimento Sindical, que relembra o papel fundamental do movimento sindical na conquista de direitos da classe trabalhadora. Em um cenário de fake news e ataques aos sindicatos, é fundamental reforçar o papel das entidades sindicais na conquista de direitos e benefícios para a classe trabalhadora.

Cliquei aqui e confira o e-book gratuito Conquistas do Movimento Sindical.

Por que o Brasil vai na contramão com as privatizações?

Enquanto governos de diversos países mundo afora revogam privatizações, o governo de Jair Bolsonaro só pensa em entregar o patrimônio brasileiro para satisfazer a desejo de lucro dos mais ricos.

A Eletrobras e suas subsidiárias, como a CGT-Eletrosul, estão na mira do governo que, claramente, não defende um Brasil soberano.

O exemplo da Argentina

Para garantir o fornecimento necessário de energia para a Argentina, o presidente Alberto Fernández editou um decreto revogando as privatizações de empresas de energia e centrais térmicas.

O decreto de Fernandez reverte a ordem de privatização de empresas como Dioxitek, Transener e as centrais termoelétricas Manuel Belgrano e San Martín (Timbúes), entregues à iniciativa privada pelo seu antecessor, Mauricio Macri (o presidente que afundou o país em uma gigantesca crise econômica).

A matriz energética da Argentina tem forte concentração nas termoelétricas. Elas são responsáveis por cerca de 50 % da produção de energia elétrica do país, sendo o gás natural o principal combustível.

A retomada dessas empresas traz maior segurança estratégica na manutenção do fornecimento de eletricidade para os argentinos, sem sujeitar a população a arcar com preços abusivos nas tarifas, já que as empresas privadas visavam apenas lucrar e não cumpriam com suas obrigações.

Nossos vizinhos já se deram conta, mas os exemplos de reestatização e revogação de contratos de privatização não vêm só deles, se espalham por todo o mundo.

Na contramão da tendência mundial

Um dos principais estudos publicados na Inglaterra pelo Atlas Economic Research Foundation, em 2018, revelava que 83% da população, já naquela época, era a favor da nacionalização da água e 77% da eletricidade e do gás, demonstrando o reconhecimento pela sociedade britânica, depois de décadas de experiência em privatizações, que empresas prestadoras de serviços públicos devem ser… públicas!

O país, pioneiro na implantação do neoliberalismo, se deu conta dos prejuízos da estratégia da privatização. Nos últimos anos, no Reino Unido (que inclui também a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte), 110 serviços foram reestatizados ou criados, sendo 13 no setor energético, segundo estudos do Transnational Institute, situado na Holanda.

E foi justamente da Grã-Bretanha (país pioneiro na onda de privatizações a partir dos anos 1980) que o governo FHC importou o modelo de privatização do setor elétrico nos anos 1990, modelo esse que o governo Temer e Bolsonaro aprofundam, desconsiderando importantes exemplos mundiais.

A questão é que em todo o mundo países têm, cada vez mais, garantido ou retomando o controle do Estado sobre recursos estratégicos. Rússia, China, Índia, Canadá e todos os países europeus mantêm majoritariamente o controle sob setor elétrico. 

Até mesmo nos EUA, considerada uma das economias mais liberais do mundo, apesar de o setor elétrico ser em boa parte privado, as hidrelétricas, por exemplo, são consideradas instalações estratégicas e fundamentais à segurança nacional e, portanto, pertencem quase todas ao Estado. Por lá, 11 serviços de energia foram reestatizados nos últimos anos.

Nos últimos anos, sob os governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro, o Brasil vêm andando na contramão dos países mais desenvolvidos em praticamente todas as áreas (de liderança em ascensão nos tornamos párias mundiais), e privatizar água, energia, combustíveis, minérios e demais recursos naturais só fará o Brasil caminhar cada vez mais em direção a um abismo do qual terá muitas dificuldades para se livrar depois.

 Isso precisa parar, agora. Eles não podem vender o que é dos gaúchos e do povo brasileiro.

Fonte: SINTEC-RS

Privatização da Eletrobras: o povo pagará (caro) essa conta

A Eletrobras é um bem nacional e estratégico, mas Bolsonaro quer entregá-la para o mercado. Desabastecimento, piora na qualidade, aumento de 20% nas contas e prejuízo de R$ 150 bilhões para a população serão apenas alguns dos inúmeros impactos da privatização.

Fonte: SINTEC-RS

#TBT: SINTEC-RS e HUB 528Hz

Nesta quinta-feira, dia de #TBT, recordamos a parceria de 7 meses com o Hub 528Hz e o processo de transformação organizacional construído com a orientação do Hub. Como parte das ações propostas para otimizar as rotinas administrativas do sindicato e ampliar a entrega de valor para os associados, o SINTEC-RS contratou os serviços de consultoria de gerenciamento fornecidos pelo Hub 528Hz.

O serviço incluiu jornadas de inovação, modelagem de negócios e design organizacional e de processos de gestão. Para o Diretor Administrativo do SINTEC-RS, Paulo Motta, “a consultoria trouxe uma nova visão de administração, tanto para os Diretores como para a equipe de colaboradoras, estreitando o relacionamento da entidade com os sócios e possibilitando melhorias nos processos do sindicato”.

Foram workshops e encontros on-line que construíram, de forma colaborativa, uma jornada de transformação para o SINTEC-RS. De acordo com o relatório final apresentado pelo Hub, o resultado foi um ganho de 21% na produtividade, maior abertura para mudança e inovação, otimização da comunicação interna e maior integração da equipe.

Para saber mais sobre o Hub 528Hz, clique aqui.

Corsan não precisa ser vendida para atender o povo com excelência

Corsan não precisa ser vendida para atender o povo com excelência

🙌 Até 2033, a Corsan ajudará a garantir coleta e tratamento de esgotos a 90% da população gaúcha – conforme a atualização do marco legal do saneamento (Lei 14.026/2020).

Mas, para isso, ela não precisa ser privatizada!

💰 Em fevereiro, ela captou R$ 600 milhões em títulos de renda fixa (uma espécie de empréstimo chamado “debêntures” para o governo). E em dezembro de 2020, ela já havia captado outros R$ 499,8 milhões!

Os títulos foram negociados na Bolsa de Valores oficial do país, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

💪 E isso só foi possível porque a Corsan é uma empresa sólida, confiável e com boas práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança) e muito lucrativa: R$ 480 milhões de lucro líquido em 2020.

Ou seja, ela não precisa deixar de ser estatal para fazer o excelente trabalho que já faz!

✊ Por isso, não podemos deixar que vendam o que é dos gaúchos!

SINTEC-RS disponibiliza canal de atendimento exclusivo para demandas jurídicas

O Canal Jurídico do sindicato, disponível desde abril de 2020, atende exclusivamente demandas jurídicas, respondendo dúvidas em geral e esclarecendo a situação de processos e ações coletivas para a categoria.

O canal, estabelecido em conjunto com a assessoria jurídica do sindicato, visa garantir mais agilidade e transparência no atendimento das solicitações e processos judiciais da entidade. Se você está com alguma dúvida sobre ações ou processos, entre em contato diretamente com o canaljuridico@sintec-rs.com.br.