Privatização da Eletrobrás cria reserva de mercado para energia mais cara e suja

Em vez de estimular a competição, o que baixaria o preço e melhoraria serviços, a Medida Provisória criada pelo governo para acelerar o processo de privatização da Eletrobrás pode fazer o oposto: concentrar o setor nas mãos de poucos.

Apesar do discurso de abertura de mercado, a mesma MP que diziam ser um passo liberal, coloca uma reserva de mercado destinada a incentivar a contratação de geração de energia termoelétrica movida a gás, em detrimento, inclusive, de energias limpas e renováveis. Um contrassenso em pleno século XXI.

Da maneira que está sendo feita, a MP daria a um agente privado enorme poder sobre nosso mercado, podendo inclusive afugentar investidores do mercado limpo, como no caso do beneficiamento das termoelétricas. 

A partir daí mais um serviço essencial passa para as mãos de grupos internacionais de iniciativa privada a preço de banana, assim como foi o no caso da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), responsável pela distribuição de energia aos lares gaúchos, vendida por meros 100 mil Reais. A empresa vale cerca de R$ 7 bilhões. As exigências que ela deve cumprir de acordo com a MP, que basicamente são a manutenção do que já é feito atualmente pela empresa, entraram como um “descontão” para fazer o negócio.  

A pressa do governo nas privatizações mostra quais interesses são prioritários. Em meio à crise da pandemia de Covid-19, parece que a agilidade caminha em outro sentido.

Para o governo brasileiro, além das implicações ambientais, que também estão na essência da crise hídrica, atender os interesses de grandes grupos internacionais é mais importante do que agilizar a vacinação ou mesmo se preocupar com as taxas de desemprego, queda no consumo e renda dos brasileiros.

Não podemos deixar com que setores centrais para a economia e para a vida cotidiana dos brasileiros, como água, energia elétrica e combustíveis, sejam vendidos apenas para beneficiar setores das elites que desejam se apropriar das riquezas dos brasileiros.

É de se pensar: se o negócio fosse ruim, por que uma empresa que visa só o lucro desejaria comprá-lo?

Informativo Sindical de julho

A edição de julho do Informativo Sindical já está disponível!

Confira aqui as principais notícias do sindicato.

Fundação Solar promove 2ª edição de curso presencial com desconto de até 25% para associados ao SINTEC-RS

O curso de Projeto e Dimensionamento de Sistemas Solares Fotovoltaicos Conectados à Rede, promovido pela Fundação Solar em parceria com a Escola Técnica Liberato está com as inscrições abertas para a 2ª edição no formato presencial! As aulas ocorrerão nos dias 06 e 07 de agosto na Fundação Liberato, das 19h às 22h na sexta-feira (06) e das 08h às 17h no sábado (07).

O curso será realizado com todos os cuidados necessários para este momento de pandemia, respeitando o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras. As vagas são limitadas!

O investimento é de R$790,00 e o pagamento poderá ser realizado em até quatro parcelas no cartão de crédito ou à vista, com 10% de desconto. Associados ao SINTEC-RS contam com mais 15% de desconto em qualquer forma de pagamento.

As matrículas devem ser feitas através do e-mail matricula@fundacaosolar.com.br solicitando inscrição. Para saber mais sobre o conteúdo do curso e sobre o corpo docente, acesse o site da Fundação Solar.

Programa resumido: 

  • Serão abordadas as tecnologias associadas à módulos e inversores fotovoltaicos como PERC, Bifacial, Micro inversores, Multi MPPT, etc. 
  • Tecnologias de módulos fotovoltaicos e fatores de perda e degradação como PID, LID, LETID e temperatura.
  • Proteções , DPS, Fusíveis, Disjuntores e Aterramento. 
  • Apresentação de cases reais para o desenvolvimento dos exercícios de dimensionamento.
  • Abordagem e interpretação da nova norma NBR 16690 (Instalações elétricas de arranjos FV – Requisitos de projetos).
  • Normas, Certificações e Documentação comentada de acesso à concessionária.
  • Cases de dimensionamento individual de projetos de geração fotovoltaica. .

Eduardo Leite passou a boiada para vender a CEEE

😠 Em vez de cuidar do nosso Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite “passa a boiada” no Palácio Piratini.

Para vender nossas estatais, ele conseguiu apoio na Assembleia Legislativa para retirar o dispositivo constitucional que estabelecia uma consulta ao povo gaúcho (por plebiscito), pois sabe que somos contrários à privatização.

Juntos, eles tiraram do povo o poder de decidir sobre o próprio futuro.

🤯 Dessa forma, ele vendeu a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D), e quer privatizar outras estatais – descumprindo sua promessa de campanha.  

E mais: Eduardo Leite tem escondido informações sobre a venda da CEEE e sobre seus atos no governo, deixando o povo “no escuro”.

Sem transparência na prestação de contas, o governador passa por cima dos nossos interesses para alçar voos mais altos na política.

✋ Precisamos dar um basta no método “passa a boiada” de Eduardo Leite. Ele não pode vender o que é dos gaúchos!

SINTEC-RS NEWS de julho

A edição de julho do informativo SINTEC-RS NEWS já está disponível!⠀

Confira aqui a seleção de notícias do mês.

Privatização do setor eletrico vai colocar o RS no escuro

⚡ Para favorecer setores das elites mesquinhas e egoístas, o governo estadual e da mídia tradicional estão atuando fortemente a favor das privatizações do setor elétrico do Rio Grande do Sul.

🆘 O objetivo deles é conseguir vender o mais breve possível a CEEE e a Eletrobras CTG Eletrosul, responsáveis pela geração, transmissão e distribuição de luz para todas as regiões do estado.

⚠ Mas vincular uma necessidade básica da população à iniciativa privada vai impactar todos os gaúchos, trazendo prejuízos como:

💥Aumento das tarifas de energia;

💥Enfraquecimento da economia do Rio Grande do Sul e do Brasil;

💥Demissões em massa

💥E sucateamento das operações, diminuindo a qualidade dos serviços oferecidos.

💪 Juntos, precisamos lutar pelo nosso patrimônio.

🤯 É inaceitável que a gestão do setor de energia do estado fique sob o comando de quem quer apenas lucrar com um serviço que é essencial na efetivação da cidadania.

✊ Não podemos deixar que eles vendam o que é dos gaúchos.

E-book gratuito: conheça as modalidades técnicas abrangidas pelo SINTEC-RS

SINTEC-RS reuniu a série de publicações que apresenta as principais modalidades técnicas abrangidas pela entidade e elaborou o e-book gratuito Quem são os Técnicos Industriais. Além da apresentação das modalidades, o material também indica as áreas de atuação dos profissionais no mercado de trabalho.

Acesse aqui o material completo.

Assembleia Geral Extraordinária da TRENSURB está cancelada

O SINTEC-RS informa que a Assembleia Geral Extraordinária da TRENSURB convocada para o próximo dia 29 de julho está cancelada devido ao adiamento das negociações.

A nova data para realização da Assembleia será divulgada em breve.

Privatização da Eletrobrás e CGT-Eletrosul: O mercado lucra, mas a conta sobra só para você

A conta de luz deve ficar ainda maior com a privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias. Além de ser a maior empresa de produção e distribuição de energia elétrica da América Latina, sendo um bem nacional que nenhum país razoável abriria mão, a privatização dela vai permitir que os ganhadores tentem aproximar seus lucros de acordo com os patamares do mercado.


Para se ter uma ideia, a Eletrobrás é responsável por 48 hidroelétricas, 112 termoelétricas, a gás, óleo e carvão, 2 nucleares, 70 eólicas e 1 solar. Isso representa quase um 1/3 da produção de energia elétrica no país, cerca de 31%. Além disso, a empresa detém mais de 70 mil quilômetros das linhas de distribuição, sendo responsáveis por 64% da transmissão de energia doméstica e industrial no país.


Tudo isso feito com dinheiro público ao longo de décadas. Então, sem a Eletrobrás, o país mergulha em uma escuridão pela qual ele pagou para não estar.


Justamente por ser uma empresa pública, controlada pelo Estado, a Eletrobrás e suas subsidiárias de energia, entre elas a CGT-Eletrosul, conseguem oferecer o menor preço do mercado. Hoje, pagamos cerca de 60 Reais megawatt hora. No mercado privado esse valor é de 300 Reais o megawatt hora!


Assim, para se manter com níveis de lucratividade equivalentes aos parâmetros do mercado, a estimativa é que as empresas privadas vencedoras tenham que aumentar nossa conta de luz entre 10% e 20%.

Crise hídrica, apagões e preço dos alimentos


As hidroelétricas da Eletrobrás detêm hoje 52% da água armazenada no Brasil. A água é a principal fonte de geração de energia no país, mas também sem ela não se produz alimento ou se coloca para funcionar uma indústria.


Os reservatórios das hidroelétricas são responsáveis por 70% da água para irrigação na agricultura, por isso que a gestão desse recurso é fundamental para garantir a sobrevivência física, econômica e social no Brasil, como em qualquer lugar do mundo. Por isso é tão estratégico.


Mais do que a privatização de uma empresa, que dá controle para um recurso tão importante como energia elétrica, a venda da Eletrobrás compromete a autonomia do país em outro recurso indispensável: a água.


Diversas regiões do país estão enfrentando estiagens mais longas. O efeito imediato dessas estiagens é o aumento do consumo de água armazenada, comprometendo assim a geração de energia elétrica. Em razão disso há um aumento na produção de energia termoelétrica, que é a principal alternativa disponível hoje.


Por serem abastecidas com gás e óleo (que também não estão nada baratos) resultam numa conta mais cara a ser paga pelo consumidor.


A venda da Eletrobrás também preocupa em termos logísticos. Já que no Brasil há um sistema nacional de distribuição de energia, interligado por todo o território brasileiro. Isso permite uma organização, centralizada na responsabilidade do governo, para distribuir a energia produzida de forma a atender as demandas de um país tão grande quanto o nosso.
A privatização vai cortar essa interligação, já que mais de uma empresa deve assumir partes do mercado de energia nacional que, sem controle majoritário do Estado, compromete a articulação do sistema em todo o país.


Privatizar a Eletrobrás é um crime contra o futuro do Brasil.

Fonte: SINTEC-RS

Fundação Solar promove 2ª edição de curso presencial com desconto para associados ao SINTEC-RS

O curso de Projeto e Dimensionamento de Sistemas Solares Fotovoltaicos Conectados à Rede, promovido pela Fundação Solar em parceria com a Escola Técnica Liberato está com as inscrições abertas para a 2ª edição no formato presencial! As aulas ocorrerão nos dias 06 e 07 de agosto na Fundação Liberato, das 19h às 22h na sexta-feira (06) e das 08h às 17h no sábado (07).

O curso será realizado com todos os cuidados necessários para este momento de pandemia, respeitando o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras. As vagas são limitadas!

O investimento é de R$790,00 e o pagamento poderá ser realizado em até quatro parcelas no cartão de crédito ou à vista, com 10% de desconto. Associados ao SINTEC-RS contam com mais 15% de desconto em qualquer forma de pagamento.

As matrículas devem ser feitas através do e-mail matricula@fundacaosolar.com.br solicitando inscrição. Para saber mais sobre o conteúdo do curso e sobre o corpo docente, acesse o site da Fundação Solar.

Programa resumido: 

  • Serão abordadas as tecnologias associadas à módulos e inversores fotovoltaicos como PERC, Bifacial, Micro inversores, Multi MPPT, etc. 
  • Tecnologias de módulos fotovoltaicos e fatores de perda e degradação como PID, LID, LETID e temperatura.
  • Proteções , DPS, Fusíveis, Disjuntores e Aterramento. 
  • Apresentação de cases reais para o desenvolvimento dos exercícios de dimensionamento.
  • Abordagem e interpretação da nova norma NBR 16690 (Instalações elétricas de arranjos FV – Requisitos de projetos).
  • Normas, Certificações e Documentação comentada de acesso à concessionária.
  • Cases de dimensionamento individual de projetos de geração fotovoltaica. .