Novo desconto no curso de Auditor Interno ISO 9001:2015

SINTEC-RS, em uma parceria exclusiva com a 8MS Consultoria em Sistemas de Gestão, oferece aos associados um desconto de 15% no curso de Auditor Interno ISO 9001:2015! O investimento está com um novo valor promocional de R$350,00. Já para os associados ao sindicato, o valor fica R$297,50.

As inscrições encerram na próxima segunda-feira, 6, às 12h e devem ser realizadas pelo e-mail 8msconsultoria@gmail.com. As aulas ocorrerão de 6 a 10 de dezembro, das 18h30 às 21h30 online e ao vivo. Ao final do curso, os participantes aprovados receberão certificado.

O objetivo do curso é formar e preparar os participantes para realizar auditorias internas de Sistema de Gestão da Qualidade com base na norma ISO 9001:2015, conforme as diretrizes de auditoria da norma ISO 19011:2018.

As elites egoístas plantam a mentira de que estatais seriam “cabides de emprego”

As elites egoístas plantam a mentira de que estatais seriam “cabides de emprego”

👀 Para enganar a população e conseguir apoio à entrega do patrimônio público para as elites gananciosas, são usados todos os tipos de estratégia, principalmente mentiras.

😤 Uma das enganações é dizer que as estatais são “cabides de emprego”. Com isso, eles escondem que para alguém construir carreira em uma estatal precisa passar por um concurso público concorridíssimo, que requer estudo e conhecimento e no qual nenhum apadrinhamento faria diferença. Trata-se de selecionar os mais capacitados para funções tão importantes.

✋ Em nosso estado, empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul, que têm função social importante e geram muitos empregos, estão sob risco de privatização.

Não caia em fake news! E não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

Curso de Auditor Interno ISO 9001:2015 com desconto para associados

O curso de Auditor Interno ISO 9001:2015, promovido pela 8MS Consultoria em Sistemas de Gestão, está com as inscrições abertas e conta com condições exclusivas para associados ao SINTEC-RS. As aulas ocorrerão de 6 a 10 de dezembro, das 18h30 às 21h30 online e ao vivo. Ao final do curso, os participantes aprovados receberão certificado.

O objetivo do curso é formar e preparar os participantes para realizar auditorias internas de Sistema de Gestão da Qualidade com base na norma ISO 9001:2015, conforme as diretrizes de auditoria da norma ISO 19011:2018. As inscrições devem ser realizadas até a próxima segunda-feira, 6, pelo e-mail 8msconsultoria@gmail.com.

O investimento é de R$ 315,00 para os sócios, já com 15% de desconto.

SINTEC-RS NEWS de Novembro

A edição de novembro do informativo SINTEC-RS News já está disponível!

Clique aqui e confira a seleção de notícias do mês.

Convocação Assembleia Geral Extraordinária – ELETROBRAS CGT Eletrosul

O Diretor-Presidente do SINDICATO DOS TÉCNICOS INDUSTRIAIS, convoca os Técnicos Industriais, integrantes da categoria profissional da ELETROBRAS – CGT ELETROSUL, para ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, a realizar-se no dia 03 de dezembro de 2021, de maneira virtual, através da plataforma Google Meet (meet.google.com/hmi-tkzy-wry) às 08h00min em primeira chamada e às 08h30min em segunda chamada, para deliberarem sobre a seguinte ORDEM DO DIA:

1 – Discussão e Deliberação pela aprovação ou rejeição da proposta do ACT Específico 2020/2022 apresentado pela Empresa.

Clique aqui para participar da AGE.

Confira também:

É piada? Para Bolsonaro, solução para crise energética é não usar energia

“Até faço um pedido para você agora. Se tem uma luz acesa a mais na tua casa, por favor apague. Nós estamos vivendo a maior crise hidrológica dos últimos 90 anos. Se você puder apagar uma luz na tua casa, se puder desligar o teu ar-condicionado. Se não puder — está com 20 graus? — passa para 24 graus, gasta menos energia”.

Quem propôs essas ‘soluções’ para a crise energética foi o presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma de suas lives.

Sem rumo e sem propostas para resolver qualquer problema do país, Bolsonaro tenta transferir para os brasileiros a responsabilidade de uma situação que foi causada pela incompetência e pela negligência do próprio Governo Federal para cuidar de setores e necessidades estratégicas da população, como é o caso da energia elétrica.


Crise é responsabilidade de Bolsonaro e sua turma

É consenso entre os especialistas e pesquisadores da área que a crise energética é responsabilidade do Governo Federal, que não elaborou nenhum tipo de plano ou estratégia para passar pelo longo período sem chuvas que algumas regiões têm enfrentado nos últimos meses.

“Bolsonaro não controla as chuvas” é uma frase que alguns apoiadores tentam usar para tirar do presidente a responsabilidade.

Mas a verdade é que o próprio presidente chegou a interferir até nos órgãos que ajudam a fazer o mapeamento dos recursos hídricos, de alterações climáticas e de queimadas e desmatamento, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão estritamente técnico, vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, principalmente depois da revelação de que houve recorde de queimadas e desmatamento em sua gestão.

Ou seja, por decisão política do presidente (desesperado para esconder os dados que demonstram os desastres de seu governo) o Brasil está ficando “cego”, perdendo cada vez mais a capacidade de criar estratégias para enfrentar problemas decorrentes de questões climáticas.

Com a estiagem, a capacidade dos reservatórios de usinas hidrelétricas diminuiu bastante, atingindo o nível mais baixo dos últimos 91 anos no Sudeste e no Centro-Oeste. Mas o governo não pode dizer que “foi pego de surpresa”.

Enquanto sugeria que os consumidores apaguem uma luz como solução para problemas dessa magnitude em um país continental, Bolsonaro referendava medidas que caminham na direção do racionamento e da penalização dos consumidores, que pagam tarifas cada vez mais altas.

Com a falta de ações efetivas e bem planejadas, algumas regiões estão sob risco de apagões que podem piorar ainda mais a vida da população brasileira, já sufocada pela crise econômica (quem vem se arrastando há anos) e até pela volta da fome.

Em estados como Roraima e Amapá, por exemplo, já há um quadro preocupante, inclusive com apagões intermitentes já tendo acontecido. Rio de Janeiro e Minas Gerais também sofreram cortes de energia de muitas horas no mês de setembro.

Aumento das tarifas e privatização

As únicas medidas tomadas por Bolsonaro e por órgãos como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acabam repassando para a população a responsabilidade e os custos da crise causada pela incapacidade do Governo Federal.

Entre julho de 2020 e julho de 2021 a tarifa média de energia subiu 20%. Até a chamada “bandeira vermelha” (uma sobretaxa nas contas de luz) vem recebendo aumentos constantes.

Além disso, o cenário, que já é caótico, pode piorar ainda mais caso a o governo consiga privatizar a Eletrobras.

A estatal controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7% e gerar um prejuízo de mais de R$ 500 bilhões aos brasileiros em alguns anos.

Casos de privatizações de empresas estaduais de energia elétrica, como os ocorridos em Goiás, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Amazonas, Piauí e Alagoas demonstraram como a venda das estatais trouxe consigo tarifas abusivas, serviços terceirizados de péssima qualidade e o sucateamento da rede de distribuição, o que também piorou os serviços oferecidos.

Além disso, a Eletrobras tem 47 barragens hídricas que, se forem privatizadas, colocarão em risco o meio ambiente e até mesmo poderão causar novos desastres, como os ocorridos em Brumadinho e Mariana, que foram resultado da gestão privatizada da Vale.

O Brasil não merece isso. Precisamos de um governo que respeite a ciência, a autonomia dos órgãos e dos institutos de pesquisa, para que nosso país seja capaz de planejar com inteligência o uso dos recursos naturais e ações para serem adotadas em caso de crises. Ou seja, que faça tudo diferente do que o governo Bolsonaro vem fazendo.

Fonte: SEINTEC-RS

Salve a Energia: levantamento aponta que empresas privatizadas estão entre os principais devedores dos estados

Em levantamento encomendado pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), o Atlas da Dívida Ativa dos Estados Brasileiros aponta que entre as 10 empresas que mais devem aos estados brasileiros, 4 são empresas privatizadas. A soma da dívida dessas 10 empresas com os estados da federação, totaliza 13,18% do Produto Interno Bruto do Brasil. Os dados apresentados pelo levantamento reforçam que entregar o patrimônio dos brasileiros e brasileiras nas mãos da iniciativa privada, ao invés de render dinheiro, trará prejuízos para os estados.

Confira, na íntegra, o conteúdo publicado no site da campanha Salve a Energia:

A justificativa fiscal para a privatização de empresas públicas vem se mostrando um argumento bastante frágil. Na verdade, ao verificar as informações do “Atlas da Dívida Ativa dos Estados Brasileiros”, levantamento encomendado pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) é possível verificar o oposto. Isso porque entre as 10 empresas que mais devem aos estados brasileiros, 4 são empresas privatizadas. 

A soma da dívida dessas 10 empresas, que nasceram privadas ou foram privatizadas, com estados da federação, totaliza 13,18% do Produto Interno Bruto do Brasil. Em outras palavras, a venda do patrimônio nacional ao invés de render dinheiro para ser investido no País, acabou rendendo dificuldades aos estados. O Atlas aponta que, até 2019, o montante de recursos em dívidas com os estados era de R$ 896,2 bilhões. Com esses recursos, seria possível financiar 11 anos de Bolsa Família a R$ 400 para a população de baixa renda, conforme afirma a Fenafisco

Além do que é possível mensurar, como o valor das dívidas, isenções fiscais e entre outros valores monetários, há outros prejuízos advindos da privatização de empresas públicas que são difíceis de serem quantificados. Entre eles, a perda dos investimentos feitos pela sociedade ao longo dos anos, a alta qualificação e especialização dos funcionários públicos  e, principalmente, a mudança do principal objetivo das empresas públicas: da promoção da cidadania e o desenvolvimento do Brasil para, unicamente, a maximização dos lucros.  

Segundo um funcionário do Serpro, as informações contidas no Atlas são uma ferramenta importante de reflexão. “Os números não mentem!”, opina o especialista. “É preciso que governos promovam políticas de Estado baseadas em evidências, e não que apenas corroborem suas visões ideológicas”, completa. 

O Serpro e a Dataprev – empresas públicas de tecnologia da informação – são exemplos da tentativa de privatização sem estudos sobre os riscos e benefícios da desestatização. Após uma grande mobilização dos funcionários das empresas, de organismos governamentais e civis e da sociedade organizada, o governo atrasou o cronograma de desestatização das empresas, chegando a 2023, já no próximo governo. 

As informações trazidas pelo Atlas da Dívida Ativa dos Estados Brasileiros mostram a importância de estudos e debates amplos e representativos antes de se privatizar qualquer empresa pública.

Fonte: Salve a Energia – Renata Vilela

SINTEC-RS recebe homenagem da Câmara de Vereadores de Bagé

Nesta segunda-feira, 29, o SINTEC-RS e o movimento dos Técnicos Industriais serão homenageados pela Câmara de Vereadores de Bagé. A diretoria do sindicato convida os Técnicos e Técnicas de Bagé e região para prestigiarem a Sessão Solene, que ocorrerá às 19h, no Salão Nobre da Prefeitura da cidade.

O evento ocorrerá na Av. General Osório, 998.

Ao privatizar energia, Estado abre mão de recursos estratégicos para o futuro

Ao privatizar energia, Estado abre mão de recursos estratégicos para o futuro

🤑 O Governos Federal e o do Rio Grande do Sul coincidem em suas estratégias de privatizar as empresas de energia – Eletrobras e CEE-GT.

🌍 Além do aumento nas tarifas (que já estão nas alturas), essas privatizações vão na contramão do que acontece no mundo, uma vez que a energia elétrica tem papel estratégico para qualquer país e governos de países desenvolvidos estão reestatizando empresas que foram privatizadas no passado.

💥 Nem o Brasil e nem o Rio Grande do Sul podem abrir mão de recursos tão estratégicos, porque isso comprometeria a nossa soberania e prejudicaria profundamente a nossa população.

✨ Em 2019, a Eletrobras e as estatais estaduais Copel, Cemig, CEEE-GT e Celesc foram responsáveis por 54% da hidroeletricidade consumida no país. Sem elas, os brasileiros pagariam mais caro e teriam serviços de pior qualidade.

Eles não podem entregar o patrimônio do povo.

Eles não podem vender o que é dos gaúchos!

Você sabe quem são os verdadeiros beneficiados com as privatizações?

Você sabe quem são os verdadeiros beneficiados com as privatizações?

🤑 Acionistas, investidores, multinacionais, empresários, grupos econômicos e alguns políticos. Esses são os maiores beneficiários da privatização das estatais, enquanto a maioria da população é prejudicada.

👎 No caso do Rio Grande do Sul, empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul estão nas miras daqueles que desejam entregar o patrimônio dos gaúchos e dos brasileiros para as mãos das elites ricas (daqui e do exterior).

👀 As estatais cumprem uma função social, destinando grande parte de seu lucro para saúde, educação, meio ambiente e muitas outras áreas, mas se forem privatizadas, servirão apenas para enriquecer seus donos ou acionistas.

✔As estatais gaúchas geram empregos e contribuem para controle de preços, desenvolvimento de tecnologias e gerem recursos estratégicos para o estado e para o país.

Por isso, não podemos deixar que eles vendam o que é dos gaúchos!