Posts

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

Com privatização, Brasil ficará para trás no transporte ferroviário

🚇 66% da população economicamente ativa brasileira depende dos transportes públicos, onde 22% passam ao menos duas horas de seu dia.

🚗 Na comparação com outros países, o Brasil investe pouco nos transportes ferroviários, priorizando rodovias, carros e caminhões.

🌍 O transporte ferroviário ajuda a melhorar o caos urbano, é mais barato que outras opções e ainda causa menos danos ao meio ambiente.

😤 A situação da população pode ser agravada com as privatizações, como pode ocorrer se a Transurb for privatizada. É o Brasil indo na contramão do mundo e de um futuro mais sustentável.

Por isso, não podemos deixar que vendam o transporte que é dos gaúchos!

Vender a Eletrobras pode desabrigar milhares de gaúchos

Vender a Eletrobras pode desabrigar milhares de gaúchos

😭 Se a CGT Eletrosul (subsidiária da Eletrobras) for vendida, cerca de 1,5 mil gaúchos do município de Candiota poderão ficar desabrigados.

Isso porque mais de 400 famílias moram na área pertencente à estatal, nos arredores da Usina de Candiota.

Com a privatização, elas ficarão na rua, e seus imóveis e terrenos poderão ser leiloados.

😫 Para piorar, os moradores sequer foram avisados formalmente sobre o edital de venda. Alguns só souberam do fato por aplicativo de mensagens.

Muitas famílias vivem há mais de 60 anos nessa comunidade, e construíram suas histórias de vida lá.

😨 Agora, sofrem com o risco de perder suas moradas a qualquer momento, em meio à pandemia de Covid-19 – afinal, os novos donos da Eletrobras terão pressa em começar a lucrar, depois da privatização.

🚨 A venda de estatais não é uma simples transação comercial. Ela só beneficia quem vai ganhar dinheiro com o processo. Para o povo, ficam os prejuízos, como tarifas mais caras, serviços de má qualidade e o desamparo.

É por isso que não podemos deixar que vendam o que é dos gaúchos.

#eletrobras #eletrobraspública

Estatais criam mais inovações que empresas privadas

Estatais criam mais inovações que empresas privadas

🔎 O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizou a “Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais” (PIEEF) e constatou que as estatais criam mais inovações que as empresas privadas!

Confira⤵

➡ 29,2% das estatais realizaram processos inéditos no Brasil 🆚 2,4% das empresas privadas

➡ 27,8% das estatais lançaram produtos novos no país 🆚 4,4% das empresas privadas

➡ As pesquisas das estatais buscam resolver problemas sociais e gerar bem-estar coletivo. Já as pesquisas de empresas privadas focam na geração de lucros e na ampliação da receita dos donos

➡ A cada 10 estatais, 7 criaram tecnologias ou produtos. A cada 10 empresas privadas, 4 fizeram o mesmo

➡ Estatais inovam em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Já empresas privadas (principalmente industriais) inovam em equipamentos e máquinas

➡ A inovação estatal é feita por universidades e equipes internas. E a inovação privada é feita a partir de mercadorias

🤩 Viu só? Estatais, como a Eletrobras e a Trensurb, inovam em benefício do país e do povo. É por isso que precisamos defendê-las!

✋ Participe dessa causa: não deixe que vendam o que é dos gaúchos e dos brasileiros.

Privatização da Trensurb levará ao caos, como ocorreu nas ferrovias inglesas

Incluída desde 2019 no Programa Nacional de Desestatização, a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb) está sob a mira do governo Bolsonaro, que quer sua privatização. Além de ser uma empresa de função social fundamental, exemplos de casos como o da Inglaterra demonstram que a o fim do controle social dos transportes só traz prejuízos à população.

O transporte é um dos direitos sociais listados na Constituição. É dever do Estado, portanto, garanti-lo, e não encará-lo como um serviço qualquer, organizado pela iniciativa privada sem levar em conta interesses e necessidades das pessoas, que necessitam do transporte público para trabalhar e acessar outros direitos, como saúde, educação e cultura.

O exemplo inglês

O mínimo que um governo deveria fazer ao propor iniciativas que afetem sua população é pesquisar o que já foi feito nesse sentido, e quais os resultados obtidos. No caso da privatização dos transportes, um exemplo emblemático é o da British Railways (BR), empresa ferroviária inglesa vendida em 1994.

A empresa foi fragmentada em uma centena de setores independentes, o que afetou trabalhadores e usuários dos serviços. Os ferroviários perderam direitos como férias e auxílio-doença, e passaram a enfrentar jornadas exaustivas de mais de 70h semanais e turnos de duas semanas, sem nenhum dia de descanso.

Já os passageiros passaram a conviver com falta de informação e manutenção, atrasos, cancelamentos e acidentes, que aumentaram pela falta de investimento em segurança e condições de trabalho para os funcionários.

O preço das tarifas em alguns trajetos chegou a aumentar 245%. Enquanto um espanhol gasta em média 5% do seu salário com transporte, e um italiano 3%, um inglês dispende 13% dos seus ganhos mensais se locomovendo.

A importância da Trensurb

Fundada em 1980, a Trensurb começou a funcionar em março de 1985. É uma empresa pública controlada pela União, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional. Aproximadamente 228 mil pessoas utilizam seus serviços diariamente: são 43,8 quilômetros de extensão, ligando Porto Alegre a municípios da região metropolitana.

O transporte metroferroviário deveria ser estimulado como política de Estado, e não liquidado, como deseja o Governo Federal. Além de ser uma opção menos custosa em relação a carros e ônibus, a diminuição do tráfego em estradas e avenidas gera uma redução tanto em acidentes como em poluição.

No entanto, o que se observa é que o governo não apresenta projetos que beneficiem a população. Está focado em acabar com o patrimônio e o futuro dos brasileiros.

Fonte: SINTEC-RS