Posts

Privatização da Eletrobrás e CGT-Eletrosul: O mercado lucra, mas a conta sobra só para você

A conta de luz deve ficar ainda maior com a privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias. Além de ser a maior empresa de produção e distribuição de energia elétrica da América Latina, sendo um bem nacional que nenhum país razoável abriria mão, a privatização dela vai permitir que os ganhadores tentem aproximar seus lucros de acordo com os patamares do mercado.


Para se ter uma ideia, a Eletrobrás é responsável por 48 hidroelétricas, 112 termoelétricas, a gás, óleo e carvão, 2 nucleares, 70 eólicas e 1 solar. Isso representa quase um 1/3 da produção de energia elétrica no país, cerca de 31%. Além disso, a empresa detém mais de 70 mil quilômetros das linhas de distribuição, sendo responsáveis por 64% da transmissão de energia doméstica e industrial no país.


Tudo isso feito com dinheiro público ao longo de décadas. Então, sem a Eletrobrás, o país mergulha em uma escuridão pela qual ele pagou para não estar.


Justamente por ser uma empresa pública, controlada pelo Estado, a Eletrobrás e suas subsidiárias de energia, entre elas a CGT-Eletrosul, conseguem oferecer o menor preço do mercado. Hoje, pagamos cerca de 60 Reais megawatt hora. No mercado privado esse valor é de 300 Reais o megawatt hora!


Assim, para se manter com níveis de lucratividade equivalentes aos parâmetros do mercado, a estimativa é que as empresas privadas vencedoras tenham que aumentar nossa conta de luz entre 10% e 20%.

Crise hídrica, apagões e preço dos alimentos


As hidroelétricas da Eletrobrás detêm hoje 52% da água armazenada no Brasil. A água é a principal fonte de geração de energia no país, mas também sem ela não se produz alimento ou se coloca para funcionar uma indústria.


Os reservatórios das hidroelétricas são responsáveis por 70% da água para irrigação na agricultura, por isso que a gestão desse recurso é fundamental para garantir a sobrevivência física, econômica e social no Brasil, como em qualquer lugar do mundo. Por isso é tão estratégico.


Mais do que a privatização de uma empresa, que dá controle para um recurso tão importante como energia elétrica, a venda da Eletrobrás compromete a autonomia do país em outro recurso indispensável: a água.


Diversas regiões do país estão enfrentando estiagens mais longas. O efeito imediato dessas estiagens é o aumento do consumo de água armazenada, comprometendo assim a geração de energia elétrica. Em razão disso há um aumento na produção de energia termoelétrica, que é a principal alternativa disponível hoje.


Por serem abastecidas com gás e óleo (que também não estão nada baratos) resultam numa conta mais cara a ser paga pelo consumidor.


A venda da Eletrobrás também preocupa em termos logísticos. Já que no Brasil há um sistema nacional de distribuição de energia, interligado por todo o território brasileiro. Isso permite uma organização, centralizada na responsabilidade do governo, para distribuir a energia produzida de forma a atender as demandas de um país tão grande quanto o nosso.
A privatização vai cortar essa interligação, já que mais de uma empresa deve assumir partes do mercado de energia nacional que, sem controle majoritário do Estado, compromete a articulação do sistema em todo o país.


Privatizar a Eletrobrás é um crime contra o futuro do Brasil.

Fonte: SINTEC-RS

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

💧 Desde crianças, somos ensinados que a água não tem dono.


🌍 Afinal, ela é um recurso natural do planeta, e essencial para a vida de todos os seres vivos.
🤯 Mas o governo do Rio Grande do Sul quer efetivar a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) porque trata a água como mercadoria, para gerar lucro para setores da elite que já têm muito dinheiro.


🤝 Criada há 55 anos, a Corsan garante a cidadania da população gaúcha, levando saneamento e água tratada para mais de 96% da população do RS.


💙 Como estatal, os valores praticados pela companhia são mais justos, com tarifas diferenciadas de acordo com o nível socioeconômico de cada família; e os serviços são abrangentes, chegando em todos os cantos do estado.


😰 Entregá-la de mão beijada para grandes empresários é aumentar ainda mais o nível de desigualdade social da população, e fazer com que as camadas mais pobres deixem de ter acesso à água.


👉 O que é patrimônio de todos os gaúchos não pode ser vendido.


✊ Quem é daqui, defende a Corsan estatal.

Saiba se a mentira do “cabide de emprego” nas empresas estatais pegou você

Quantas vezes você já ouviu alguém falando que determinada empresa estatal é um “cabide de emprego”?

A expressão é muito utilizada quando se pensa em nepotismo (empregar parentes), indicações políticas e ocupação de cargos por “apadrinhados” em alguns setores ou empresas inteiras.

Esse argumento tem se repetido à exaustão por políticos e comentaristas com espaço na velha mídia para justificar a privatização de empresas estatais. Eles enganam a população, dizendo que a privatização iria “libertar” as estatais do controle político e aumentar sua eficiência.

Mas há alguma verdade nisso?

Bom, para verificar, o primeiro passo é saber como as estatais contratam pessoas para seu quadro de funcionários.

E a resposta é simples: a esmagadora maioria dos cargos é ocupada por pessoas aprovadas em concursos públicos (geralmente concorridíssimos e muito difíceis, diga-se de passagem).

Concursos públicos não levam em consideração parentesco, filiação partidária, ideologia, religião ou relacionamentos pessoais.

Assim, além de atestar a qualidade do funcionário que irá ingressar na estatal, o concurso blinda a empresa daquilo que é frequentemente usado (de maneira errada) para desqualificá-la: as interferências políticas.

Não confundir

É evidente que existe a possibilidade da nomeação de pessoas não concursadas para cargos comissionados, para funções estratégicas e de chefia e administração. É assim no mundo inteiro, inclusive nos países mais desenvolvidos. Em tese, deveriam ser pessoas com alta qualificação e experiência para contribuir com a gestão.

Proporcionalmente, apenas uma pequena parcela começa a trabalhar meramente por indicação política, e não por qualificação. É justamente aí que deve haver mecanismos para garantir maior rigor nas escolhas.

Estabilidade

Outra estratégia para deslegitimar as estatais é esconder um detalhe fundamental na relação com os funcionários da empresa: mesmo aprovados em concursos públicos, eles são contratados no regime CLT, com regras semelhantes às do setor privado.

Ou seja, não há estabilidade no emprego e os funcionários podem ser demitidos a qualquer momento se não estiverem cumprindo com sua função ou praticando atos ilícitos.

É mais uma barreira para garantir o bom funcionamento das estatais (e desmente o mito do “cabide de emprego”).

Qualificação

Além de terem a qualidade comprovada pelos concursos e a possibilidade de demissão quando não há comprometimento no trabalho, os funcionários de empresas estatais passam por programas de qualificação e aperfeiçoamento constante.

É o que acontece, por exemplo, com empresas como a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE), que participam de oferecem cursos visando o aprimoramento técnico dos funcionários, especialmente aos recém-chegados.

É por isso que as estatais possuem quadros de funcionários competentes e que passam por constantes programas de capacitação e aperfeiçoamento, construindo carreiras mais longas do que, em geral, ocorre na iniciativa privada.

Estratégicas

Essas mentiras contra as estatais servem apenas para enganar a população, desmoralizando as empresas públicas para tornar as privatizações mais fáceis e agradar as elites (as do Brasil estão entre as mais mesquinhas e egoístas do mundo, segundo estudos).

Privatizações significam o desmonte de todo o conhecimento, estrutura e experiência de quem já atuava na empresa (a demissão em massa é sempre o primeiro resultado das privatizações) para, na maioria das vezes, contratar empregados com salários mais baixos (por causa da menor qualificação), o que vai refletir diretamente na qualidade dos serviços prestados.

Longe de ser “cabide de empregos”, as estatais são estratégicas para a população. Embora a imensa maioria seja extremamente lucrativa, elas não têm como objetivo exclusivo o lucro e contribuem para a qualidade de vida da sociedade e para o desenvolvimento econômico regional e de todo o país.