Posts

É piada? Para Bolsonaro, solução para crise energética é não usar energia

“Até faço um pedido para você agora. Se tem uma luz acesa a mais na tua casa, por favor apague. Nós estamos vivendo a maior crise hidrológica dos últimos 90 anos. Se você puder apagar uma luz na tua casa, se puder desligar o teu ar-condicionado. Se não puder — está com 20 graus? — passa para 24 graus, gasta menos energia”.

Quem propôs essas ‘soluções’ para a crise energética foi o presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma de suas lives.

Sem rumo e sem propostas para resolver qualquer problema do país, Bolsonaro tenta transferir para os brasileiros a responsabilidade de uma situação que foi causada pela incompetência e pela negligência do próprio Governo Federal para cuidar de setores e necessidades estratégicas da população, como é o caso da energia elétrica.


Crise é responsabilidade de Bolsonaro e sua turma

É consenso entre os especialistas e pesquisadores da área que a crise energética é responsabilidade do Governo Federal, que não elaborou nenhum tipo de plano ou estratégia para passar pelo longo período sem chuvas que algumas regiões têm enfrentado nos últimos meses.

“Bolsonaro não controla as chuvas” é uma frase que alguns apoiadores tentam usar para tirar do presidente a responsabilidade.

Mas a verdade é que o próprio presidente chegou a interferir até nos órgãos que ajudam a fazer o mapeamento dos recursos hídricos, de alterações climáticas e de queimadas e desmatamento, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão estritamente técnico, vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, principalmente depois da revelação de que houve recorde de queimadas e desmatamento em sua gestão.

Ou seja, por decisão política do presidente (desesperado para esconder os dados que demonstram os desastres de seu governo) o Brasil está ficando “cego”, perdendo cada vez mais a capacidade de criar estratégias para enfrentar problemas decorrentes de questões climáticas.

Com a estiagem, a capacidade dos reservatórios de usinas hidrelétricas diminuiu bastante, atingindo o nível mais baixo dos últimos 91 anos no Sudeste e no Centro-Oeste. Mas o governo não pode dizer que “foi pego de surpresa”.

Enquanto sugeria que os consumidores apaguem uma luz como solução para problemas dessa magnitude em um país continental, Bolsonaro referendava medidas que caminham na direção do racionamento e da penalização dos consumidores, que pagam tarifas cada vez mais altas.

Com a falta de ações efetivas e bem planejadas, algumas regiões estão sob risco de apagões que podem piorar ainda mais a vida da população brasileira, já sufocada pela crise econômica (quem vem se arrastando há anos) e até pela volta da fome.

Em estados como Roraima e Amapá, por exemplo, já há um quadro preocupante, inclusive com apagões intermitentes já tendo acontecido. Rio de Janeiro e Minas Gerais também sofreram cortes de energia de muitas horas no mês de setembro.

Aumento das tarifas e privatização

As únicas medidas tomadas por Bolsonaro e por órgãos como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acabam repassando para a população a responsabilidade e os custos da crise causada pela incapacidade do Governo Federal.

Entre julho de 2020 e julho de 2021 a tarifa média de energia subiu 20%. Até a chamada “bandeira vermelha” (uma sobretaxa nas contas de luz) vem recebendo aumentos constantes.

Além disso, o cenário, que já é caótico, pode piorar ainda mais caso a o governo consiga privatizar a Eletrobras.

A estatal controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7% e gerar um prejuízo de mais de R$ 500 bilhões aos brasileiros em alguns anos.

Casos de privatizações de empresas estaduais de energia elétrica, como os ocorridos em Goiás, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Amazonas, Piauí e Alagoas demonstraram como a venda das estatais trouxe consigo tarifas abusivas, serviços terceirizados de péssima qualidade e o sucateamento da rede de distribuição, o que também piorou os serviços oferecidos.

Além disso, a Eletrobras tem 47 barragens hídricas que, se forem privatizadas, colocarão em risco o meio ambiente e até mesmo poderão causar novos desastres, como os ocorridos em Brumadinho e Mariana, que foram resultado da gestão privatizada da Vale.

O Brasil não merece isso. Precisamos de um governo que respeite a ciência, a autonomia dos órgãos e dos institutos de pesquisa, para que nosso país seja capaz de planejar com inteligência o uso dos recursos naturais e ações para serem adotadas em caso de crises. Ou seja, que faça tudo diferente do que o governo Bolsonaro vem fazendo.

Fonte: SEINTEC-RS