“Privatiza tudo” é discurso para beneficiar os ricos

“Privatiza tudo” é discurso para beneficiar os ricos

🙄 “Tem que privatizar tudo!” ou “privatiza tudo” são duas expressões repetidas como se fossem mantras nas redes sociais, estimuladas pelas elites ricas, mas repetidas até pelas pessoas que serão prejudicadas com isso.

👀 É como se dinossauros defendessem o meteoro que causou sua extinção. Muitas pessoas bem percebem que estão defendendo o fim de seus próprios direitos.

🤥 O governo e as ‘elites’ sabem que 67% da população é contra as privatizações. Por isso, esses setores ligados aos interesses das camadas mais ricas da sociedade espalham mentiras e usam termos como “cabides de emprego” ou “o Brasil está quebrado”.

😤 O mesmo acontece com as estatais que atuam em nosso estado, onde circulam mentiras para justificar a venda de empresas como Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul.

👷‍♂️ As estatais geram empregos, arrecadação e desenvolvimento. Quem defende sua venda são grupos que querem lucrar sobre as necessidades da população, ignorando as necessidades da sociedade.

Não caia em fake news, nem apoie a venda do que é dos gaúchos e dos brasileiros!

Enquanto população perde, bancos lucrarão com privatização da Eletrobras

“O que é o crime de assaltar um banco comparado com o crime de fundá-lo?”. A famosa frase do poeta e dramaturgo alemão Bertold Brecht segue atual no Brasil de hoje, com sua população cada vez mais empobrecida enquanto alguns poucos banqueiros e empresários lucram como nunca.

Em momentos de crise, como os que vivemos, se torna ainda mais cruel a sanha das chamadas “elites” e dos donos do dinheiro pela rapina dos recursos que deveriam beneficiar a todos. É o que podemos observar em torno ao processo de privatização do patrimônio de nossas estatais, como ocorre no caso da Eletrobras.

De acordo com declarações do Ministério da Economia, o Governo Federal pretende começar o processo de privatização da Eletrobras no primeiro trimestre de 2022, buscando conclui-lo até o fim do mesmo ano.

Como a transação pode ser uma das maiores movimentações financeiras envolvendo empresas estatais, já houve ofertas de 14 bancos que desejam coordenar as operações.

Se a venda da Eletrobras vai significar mais um golpe na vida da população e na capacidade do Estado fomentar o desenvolvimento, ela também é uma grande oportunidade de negócios para os que desejam se apropriar dos recursos públicos.

Afinal, cabem algumas perguntas: “Qual o interesse dos bancos além do dinheiro?”, “o que os bancos privados já fizeram de bom para os brasileiros?”.

E também cabe uma questão muito relevante: “Se há tantos bancos querendo participar do negócio, isso não compra que a Eletrobras é extremamente valiosa?”

A resposta para esta pergunta está contida na própria pergunta. Se ela não fosse valiosa, não haveria ninguém interessado. Ao mesmo tempo, esse é um dos principais motivos para que ela não seja vendida.

Falou em dinheiro, bancos crescem os olhos

Em comunicado emitido no final de outubro, a Eletrobras declarou que a operação está “em fase de seleção do sindicato de bancos que ficará responsável pela estruturação da operação de follow on e de distribuição do volume de ações a ser emitido pela companhia”.

Com a previsão de que a operação pode chegar a movimentar cerca de R$ 103 bilhões, as expectativas de ganhos para intermediários também são grandes, como no caso dos bancos.

Após a divulgação do processo de privatização por parte do Governo Federal, os olhos dos 14 bancos cresceram. Querem coordenar as operações – obviamente, cobrando alto por isso.

Para a população, a conta

Com a privatização da Eletrobras, o governo de Jair Bolsonaro está dilapidando um importante patrimônio da população, o que se comprova pelos resultados financeiros e ambientais obtidos pela empresa nos últimos anos.

Segundo o Relatório Anual 2020 da empresa, entre 2018 e 2020 a Eletrobras gerou cerca de R$ 30 bilhões de lucro. Apenas em 2020, a estatal investiu R$ 472 milhões em tecnologia e inovação, conduzindo mais de cem projetos de pesquisa.

A Eletrobras assumiu o compromisso de compensar 100% suas emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), e passou a prever bônus na remuneração de seus dirigentes a partir de metas ambientais. Em 2020, foi habilitada a emitir “green bonds”, os chamados títulos verdes, para financiar projetos de energia eólica e solar.

A Eletrobras controla 233 usinas que produzem mais de um terço da energia consumida no Brasil, com cerca de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão. Segundo estudos, a privatização da estatal pode elevar a conta de luz em até 16,7% e geram um prejuízo de mais de R$ 500 bilhões para os brasileiros.

Obviamente, os bancos não estão nem um pouco preocupados com isso, afinal, querem apenas engordar ainda mais seus gordos lucros, que continuam batendo recorde a cada ano, enquanto a população brasileira vem sofrendo com aumento da fome, da miséria e do desemprego recorde.

O Brasil de Bolsonaro é um país só para os ricos. E o desejo dos bancos em acelerar a privatização da Eletrobras é mais uma prova disso.

Fonte: SEINTEC-RS

Enquanto países desenvolvidos reestatizam, governo Leite quer privatizar a água dos gaúchos

A voracidade do mercado privado mira sempre naquilo que é essencial para maximizar seus lucros. E quando se trata de água e esgoto, o impacto que isso gera na vida das pessoas é ainda maior.

A Empresa Riograndense de Saneamento (Corsan), é mais uma estatal, que fornece serviços essenciais, na mira do governo Eduardo Leite.

Para agradar o mercado e se alinhar com a política adotada pelo governo de Jair Bolsonaro, que foca no desmonte das empresas públicas para entregá-las aos mais ricos, o governador do Rio Grande do Sul tem tentado agilizar o processo de entrega do controle da água dos gaúchos e gaúchas para o mercado privado.

Em vários países do mundo a privatização da água não resolveu nada, pelo contrário.

Reestatizar tem sido a solução para os problemas da privatização          

A mito de que privatizar melhora tudo não se apoia na realidade. Ainda mais quando se trata de serviços públicos essenciais, como a água.

Já que há uma omissão grande com relação as informações sobre os malefícios da privatização, talvez alguns dados que pouco circulam na imprensa possam ajudar a entender o que acontece no Brasil e no mundo com a privatização dos serviços de água e esgoto.

Você sabia que o Brasil é vice-líder em reestatização de água e saneamento no mundo, com 78 casos confirmados? São 77 municípios do Tocantins e mais Itu, no estado de São Paulo. Em primeiro lugar no ranking mundial está a França, com 106 casos, segundo balanço do Transnational Institute (TNI) que mapeou 267 casos no mundo, ocorridos a partir do ano 2000.

Tarifas altas, falta de transparência, evasão de divisas e valores altíssimos pagos aos empresários e acionistas estão entre os crimes cometidos por empresas privadas que assumiram a gestão da água em muitos países. 

O Brasil, em 2017, somava 245 dos 5.570 municípios com contratos de concessão de água e esgoto repassados para a iniciativa privada. 58% desses grupos atuantes no setor possuem fundos de investimento e instituições financeiras entre seus controladores, sendo que dois dos maiores – BRK Ambiental (ex-Odebrecht Ambiental) e Iguá Saneamento (ex-CAB, da Queiroz Galvão) são totalmente controlados por instituições financeiras.

Por isso, as privatizações atendem à busca incessante dessas instituições financeiras por lucros cada vez maiores, e não à necessidade de fornecimento de água de qualidade e serviço de tratamento de esgoto à população. 

A água é nossa!

Permitir que nossa água seja controlada por empresas privadas é entregar um bem que é de todos. Não faltam exemplos de que a transferência da gestão desse recurso natural, o mais importante do planeta, sirva para engordar os bolsos de acionistas e especuladores do mercado financeiro.

Se o governador Eduardo Leite realmente se preocupasse com nosso estado e seu povo, jamais daria continuidade a esse projeto de privatização.

Não deixe nossa água ser moeda para quem lava as mãos com dinheiro sobre a responsabilidade com a população.

Não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

Contribuição Sindical 2014

O SINTEC-RS informa que a Contribuição Sindical 2014 será de R$ 80,00 com vencimento em 28/02/2014.