Posts

A Corsan estatal cuida da saúde pública e do meio ambiente

A Corsan estatal cuida da saúde pública e do meio ambiente

👍 Para garantir coleta e tratamento de esgotos a 90% da população gaúcha até 2033 – conforme a atualização do marco legal do saneamento (Lei 14.026/2020) –, a Corsan iniciou o programa SoluTrat (Solução em Tratamento de Esgoto).

✨ O SoluTrat é uma limpeza programada de fossas sépticas (unidades que tratam o esgoto doméstico), para evitar o acúmulo de lodo nesses recipientes, e melhorar a eficiência do tratamento de esgoto.

🌳 O programa também faz o descarte adequado dos resíduos, preservando o meio ambiente e garantindo mais qualidade de vida e saúde para os gaúchos!

Diversos municípios já estão sendo atendidos e, dessa forma, a Corsan melhora a saúde pública do povo e conserva os recursos naturais do Rio Grande do Sul.

🥰 Esse cuidado é próprio de uma empresa estatal.

✋Por isso, não deixe que vendam o que é dos gaúchos!

Privatizar é andar na contramão dos países desenvolvidos

Privatizar é andar na contramão dos países desenvolvidos

😥 Em países do mundo todo, as privatizações não beneficiam o povo porque geram tarifas maiores e serviços de pior qualidade.

Por isso, a “reestatização” se tornou uma tendência mundial: é o retorno à gestão estatal de serviços ou empresas que foram privatizados.

🌎 Nos últimos anos, mais de 1.400 empresas públicas foram criadas ou reestatizadas em todo o planeta, consertando os problemas causados pelas privatizações – sobretudo em países considerados desenvolvidos.

Com a medida, os serviços melhoram e as tarifas foram reduzidas.

💪 Já as comunidades ao redor das empresas reestatizadas tiveram a economia aquecida, criação de bons empregos, e surgimento de novos negócios e centros de pesquisa!

👉 Mas aqui no Rio Grande do Sul o governo de Eduardo Leite vai na contramão dos países desenvolvidos e pretende liquidar com todo o patrimônio público.

❗ Devemos nos unir para que o governo não venda o que é dos gaúchos!

Direito essencial não é mercadoria

Entregar serviços essenciais nas mãos de empresários é tirar da população direitos essenciais, como acesso a água e saneamento básico. Não podemos ficar reféns dos interesses de empresários gananciosos. Precisamos impedir a privatização da Corsan e daquilo que é dos gaúchos.

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

Privatização da Corsan: água garantida? só para os mais ricos

💧 Desde crianças, somos ensinados que a água não tem dono.


🌍 Afinal, ela é um recurso natural do planeta, e essencial para a vida de todos os seres vivos.
🤯 Mas o governo do Rio Grande do Sul quer efetivar a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) porque trata a água como mercadoria, para gerar lucro para setores da elite que já têm muito dinheiro.


🤝 Criada há 55 anos, a Corsan garante a cidadania da população gaúcha, levando saneamento e água tratada para mais de 96% da população do RS.


💙 Como estatal, os valores praticados pela companhia são mais justos, com tarifas diferenciadas de acordo com o nível socioeconômico de cada família; e os serviços são abrangentes, chegando em todos os cantos do estado.


😰 Entregá-la de mão beijada para grandes empresários é aumentar ainda mais o nível de desigualdade social da população, e fazer com que as camadas mais pobres deixem de ter acesso à água.


👉 O que é patrimônio de todos os gaúchos não pode ser vendido.


✊ Quem é daqui, defende a Corsan estatal.

Eduardo Leite tem pressa para entregar o controle da água para empresários gananciosos

Novamente, o governador Eduardo Leite passou por cima da opinião e dos interesses do povo gaúcho, descumpriu sua promessa de campanha eleitoral, e colocou mais uma estatal do nosso estado na mira da privatização.


Em julho de 2021, ele protocolou o Projeto de Lei (PL) que autoriza a venda da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) – apenas quatro meses depois de ter privatizado, a preço de banana, outra estatal dos gaúchos, a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D).


Nossas estatais são estratégicas para o desenvolvimento e para a garantia do bem-estar da população do Rio Grande do Sul. Suas vendas não são meras transações comerciais, mas sim o desmonte do nosso estado e dos direitos da população – por isso, o governador faz tudo sem dialogar com a sociedade.


Ao privatizar nossas estatais, Eduardo Leite mostra, de forma muito objetiva, que não quer cuidar do Rio Grande do Sul e do povo.


Mas o que mudou entre as eleições e os dias atuais? Por que, em tão pouco tempo, ele mudou de postura e deixou de lado o discurso que usou para ser eleito?


Sua ideia é mostrar ao mercado que ele é capaz de “passar a boiada” e entregar o patrimônio gaúcho, em meio à pandemia de Covid-19. Dessa forma, ele tenta se viabilizar como o candidato dos mais ricos à presidência da República em 2022.

Importância da Corsan


Estatal, a Corsan atende demandas essenciais do Rio Grande do Sul: 96,7% do abastecimento de água potável, 16,3% do tratamento de esgoto, e o tratamento de alguns efluentes industriais em diferentes munícipios.


Ela atende cerca de seis milhões de pessoas, em 317 municípios do estado, e é uma companhia sólida, confiável, com boas práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança) e muito lucrativa (R$ 480 milhões de lucro líquido, em 2020).


Se for privatizada, os serviços de água e esgoto ficarão entre 30% e 40% mais caros e perderão a qualidade, as famílias de baixa renda perderão a tarifa social, os municípios menores perderão o subsídio cruzado, e muitos outros prejuízos serão pagos pelo povo.


Sabendo que a população seria contra a venda das estatais, Eduardo Leite retirou a exigência de um plebiscito (dispositivo constitucional que determinava uma consulta à população) em caso de privatização, com o apoio de sua fiel base na Assembleia Legislativa.


E mais: para tentar iludir os prefeitos que continuam resistindo à venda da Corsan, o governador encaminhou, também, uma proposta de regionalização do saneamento básico no estado, para 307 municípios.


A entrega da estatal está sendo feita em regime de urgência e, para sua aprovação, bastarão apenas os votos de 28 deputados (maioria simples).


É importante lembrar que diversos políticos apoiam projetos de privatização pensando em ganhar algo em troca, durante o processo, seja vendendo o voto ou pela intermediação das negociações. Privatização é um prato cheio para o enriquecimento ilícito de políticos corruptos.

Mas ainda há tempo de impedir esse desastre!


O povo gaúcho ainda pode impedir que Eduardo Leite entregue nossa água para empresários gananciosos.


É preciso pressionar os deputados estaduais contra a venda da Corsan.
Eles não são donos da água. Ela é um bem de toda a população, e deve continuar assim!

Fonte: SINTEC-RS

Deu errado: Privatização deixa amazonenses sem acesso à saneamento básico

PrivatizaçãonãodeucertoAmazonas_Sintec

💣 O governador Eduardo Leite já deixou claro que pretende privatizar diversos setores estratégicos para o Rio Grande do Sul para agradar a setores ligados às elites.


🤯 Para ele, o lucro da iniciativa privada é tratado como prioridade, e considerado mais importante do que o acesso de todas as pessoas a serviços básicos.


⚠ Mas exemplos como o ocorrido no Amazonas (AM), alertam os gaúchos sobre os impactos que privatizações que deram errado trazem à população.


🚽 Atualmente, no AM, a Aegea, empresa responsável pelo saneamento básico de Manaus, lucra milhões de reais, enquanto somente 12,5% do esgoto é da cidade é tratado.


💩 Grande parte dos dejetos está sendo jogado direto na natureza, poluindo rios (como o importante Rio Negro) e córregos, e trazendo ameaças à saúde da população.


👉 Se as privatizações avançarem no RS, sofreremos situações semelhantes nos setores de água, luz e transportes, afinal, as nossas principais estatais – Corsan, CEEE, Trensurb e Eletrobras CGT Eletrosul – estão sob negociação, e podem ter suas vendas efetivadas qualquer momento.

👊 Precisamos reagir e defender o bem-estar de todos, não deixando que vendam o que é dos gaúchos.

Privatizar amplia a corrupção

O argumento de que a privatização acabará com a corrupção é a maior mentira. O poder público possui menos mecanismos para fiscalizar empresas privadas e para investigar a relação delas com políticos corruptos (por isso, muitos são favoráveis às privatizações).

Privatização da Eletrobras vai encarecer serviços e reviver “trauma” do apagão

Apagão.

O termo é bastante conhecido para quem viveu no Brasil no início dos anos 2000.

A falta de investimentos do governo Fernando Henrique Cardoso no setor de geração e transmissão de energia forçou os brasileiros a conviver com as constantes interrupções do fornecimento de luz, os apagões. Até hoje aquela foi a maior crise energética da história do Brasil.

Passados 20 anos, setores das elites que desejam se apropriar do patrimônio público parecem desejar que o Brasil seja condenado a repetir o episódio.

Com 313 votos a favor e 166 contrários, foi aprovada pela Câmara dos Deputados a Medida Provisória (MP) 1.031/2021, que autoriza a privatização da Eletrobras. A proposta ainda precisa da aprovação do Senado.

Se aprovada, a União deixará de ter o controle acionário da empresa, que passará para as mãos da iniciativa privada, onde o que manda é a lógica de lucro rápido e poucos investimentos, derrubando a qualidade dos serviços (exatamente o que levou o país à crise no início dos anos 2000).

Mas a chance de novos apagões está longe de ser a única consequência da privatização da Eletrobras.

Aumento da tarifa e insegurança energética

A Eletrobras é a maior empresa do setor no país e é responsável pela geração de 30% e distribuição de 45% de toda a energia do Brasil. No Rio Grande do Sul, a empresa atua por meio de sua subsidiária Eletrobras CGT Eletrosul.

Em cálculo da própria Associação de Engenheiros e Técnicos da Eletrobras estima-se que, se concretizada, a venda da estatal pode gerar um aumento imediato de, no mínimo, 14% na tarifa de energia elétrica no país.

Isso porque a Eletrobras passará a vender parte da produção das usinas no chamado “mercado livre”, onde hoje o preço do MegaWatt é maior do que o praticado pelo atual sistema de cotas da estatal. Ou seja, não haverá mais garantias de que a energia da Eletrobras será vendida por valores que não penalizam a população, especialmente a parcela mais pobre.

Além do modelo tarifário da empresa, é graças às redes de energia interligadas em todo o território nacional que a segurança energética está garantida para os brasileiros. Em momentos de crise é mais simples transferir energia de uma região para outra, o que não será mais possível com a privatização, que tende a “fatiar” parte da estrutura da Eletrobras em linhas independentes.

O governo brasileiro está querendo entregar para a iniciativa privada tudo o que foi construído ao longo de décadas. Foram anos de investimentos, desenvolvimento de tecnologias, construção e manutenção de estrutura (inclusive de corpo técnico qualificado) que consolidaram a Eletrobras como principal empresa do setor no país mas que, agora, ficarão nas mãos da iniciativa privada.

Na contramão do mundo

Por si só, esses argumentos já demonstram o tamanho do prejuízo que a venda da estatal vai render aos brasileiros.

Mas é preciso dizer mais. Afinal, nos últimos 20 anos, em países desenvolvidos a tendência tem sido reestatizar ou criar novas empresas ou serviços públicos. E adivinhe em qual setor esse tipo de operação tem sido mais comum? Sim, no setor energético.

Nada menos do que 374 serviços de energia foram reestatizados ou criados ao redor do mundo nas duas últimas décadas, em países desenvolvidos como Alemanha, Estados Unidos e França.

A justificativa para a retomada do controle desses serviços pelo Estado é justamente o aumento de tarifas, que prejudicava especialmente a população mais pobre, e a queda na qualidade dos serviços prestados durante o período em que a gestão estava nas mãos da iniciativa privada.

Não venda o que é dos gaúchos

No Brasil, as elites sempre se comportam de mesma forma. Após anos de trabalho duro do Estado, a iniciativa privada se aproveita de um governo disposto a fazer a vontade de grandes empresários e que não hesita em abrir mão do patrimônio público.

Está mais do que provado que, sem as estatais, quem sai perdendo é a população, especialmente as pessoas mais pobres, que podem ficar desassistidas com tarifas mais caras ou simplesmente com a interrupção dos serviços, uma vez que é praxe na iniciativa privada atuar apenas onde a lucratividade é maior.

A energia é um setor extremamente estratégico para o desenvolvimento de uma nação e seu controle não pode ficar nas mãos de empresários comprometidos apenas com lucro.

Ainda há tempo para agir e impedir que a privatização da Eletrobras seja concretizada.

Mande uma mensagem para os senadores do Rio Grande do Sul votarem contra a privatização da Eletrobras.

Senador Paulo Paim
E-mail: sen.paulopaim@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/paulopaim
Instagram: https://www.instagram.com/paulopaimsenador/

Senador Lasier Martins
E-mail: sen.lasiermartins@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/LasierMartinsOficial
Instagram: https://www.instagram.com/lasiermartins/

Senador Luis Carlos Heinze
E-mail: sen.luiscarlosheinze@senado.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/SenadorHeinze
Instagram: https://www.instagram.com/senadorheinze/

Fonte: Sintec-RS

Corsan estatal é garantia de cidadania pra o povo gaúcho

Corsan é cidadania

👏 A Corsan é a segunda estatal mais lembrada e preferida pelos gaúchos.


💙 O reconhecimento se dá, principalmente, pela trajetória que ela tem construído junto à população do estado em seus 55 anos de existência.


💦 Os seus serviços de distribuição de água tratada e de saneamento básico levam cidadania para todos os rincões do Rio Grande do Sul, tanto na zona urbana, como na área rural.


🤲 Como o seu próprio slogan já diz, ela trata a vida com respeito.


🤝Atuando em 317 municípios, a empresa garante a de cobertura de 96,57% dos lares, e tem previsão de atingir o número de 99% até 2033.


⚠ Mas para que ela siga existindo e atendendo os gaúchos com excelência, precisa continuar sendo estatal.


✅ Desse modo, a eficiência e a qualidade que caracterizam suas operações serão mantidas e o bem-estar da população, priorizado.


💪 O povo sabe e está unido, lutando contra a venda daquilo é de todos os gaúchos.

Privatizar o patrimônio dos gaúchos não afasta os corruptos (na verdade, os atraí)

Privatizar não afasta corruptos

😓 Representando os desejos das elites oportunistas, do mercado financeiro e da velha mídia, o governo do Rio Grande do Sul quer entregar algumas das mais importantes estatais gaúchas, como a Corsan e a CEEE, assim como o Governo Federal quer fazer com a Trensurb e a CGT Eletrosul.


💣 Mas a história do Brasil demonstra claramente como a aproximação entre o setor público – através de políticos oportunistas – e a iniciativa privada pode ser ruim para o país. Via de regra, a corrupção no poder público envolve também uma empresa privada no esquema.


➡ Além disso, empresas privadas sonegam mais de R$ 500 bilhões por ano no Brasil, o que é mais de 3 vezes o montante estimado em perdas por corrupção.


➡ E as privatizações também não afastam os políticos oportunistas. Pelo contrário, a maioria deles trabalha a serviço de empresas, e não do povo.


🤯 É por isso que esses grupos políticos, de mídia e empresários corruptos intentam contra o patrimônio estadual.


✊ A população do estado se mantém atenta, defendendo o Rio Grande do Sul contra quem quer vender o que é dos gaúchos!